Infertilidade

Carrinhos de bebé vazios em frente ao Parlamento

Carrinhos de bebé vazios em frente ao Parlamento

 

Lusa/AOonline   Nacional   29 de Out de 2008, 16:26

Vários carrinhos de bebés vazios ‘estacionados’ frente à Assembleia da República, em Lisboa, assinalaram esta quarta-feira de manhã o descontentamento dos casais inférteis pelos atrasos nos financiamentos prometidos há um ano para tratamentos.
Na semana passada, a Direcção-Geral da Saúde informou a Associação Portuguesa de Fertilidade (APF) que os financiamentos serão pagos a partir do segundo trimestre do próximo ano, segundo Filomena Gonçalves, da organização que promoveu hoje o protesto frente ao Parlamento.

    Foi ainda referido que a “porta de entrada” para o início dos processos de tratamento será através de uma triagem e gestão de médicos de família, ginecologistas e urologistas, o que também foi bem recebido pela APF.

    Esse registo acontecerá através de um programa informático, o que permitirá ainda que os exames clínicos acompanhem os casais durante todas as etapas do processo, evitando as “redundâncias e repetições” actuais.

    Mas por resolver, segundo Filomena Gonçalves, continua a falta de reconhecimento da infertilidade como doença por parte das seguradoras, "o que pode ser resolvido com vontade política", a não calendarização para um banco público de gâmetas e a comparticipação de 37 por cento dos medicamentos, “o que é manifestamente insuficiente”.

    Filomena Gonçalves sublinhou ainda que o objectivo de triplicar os ciclos de tratamento anuais - dos actuais 2.500 para 6.250 - e realizar metade destes no Serviço Nacional de Saúde pressupõe novas infra-estruturas ou alargamento dos serviços de medicina reprodutiva.

    Por isso, a APF defende que o Estado deveria ter começado já a encaminhar os casais para o sector privado, uma vez que na infertilidade todo o tempo conta, já que o limite de idade de tratamentos para a mulher é de 38 anos e o tempo de espera para consultas e tratamentos é de vários meses.

    O receio de ver os anos a passar foi repetido pelas mulheres que se juntaram frente ao Parlamento: “O tempo passa contra nós”, desabafava Elisabete, que veio da Mealhada para a manifestação.

    Quebrar um assunto que ainda é tabu e alertar “lá dentro [Parlamento] e cá fora [população em geral]” para uma doença que afecta milhares de casais foi outro dos objectivos das mulheres, que prometem não desistir da sua luta de engravidar.

    Já com a Rafaela ao colo depois de seis anos de tratamentos estava Alinda Diniz, que fez questão de estar presente para mostrar que, mesmo depois de momentos de depressão e pensamentos de que “não se merece um filho”, há uma luta a ganhar.

    “Todas podemos conseguir”, garantiu.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.