Cante e fado juntos em Paris para celebrar elevação a Património Cultural Imaterial da Humanidade

Cante e fado juntos em Paris para celebrar elevação a Património Cultural Imaterial da Humanidade

 

Lusa/Ao online   Cultura e Social   1 de Dez de 2018, 10:24

A Academie de Fado e os Cantadores de Paris juntaram-se na sexta-feira à noite, na capital francesa, para uma celebração conjunta destas duas manifestações culturais lusas elevadas a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

O evento, inédito, atraiu dezenas de portugueses e franceses à Maison de la Vie Associative et Citoyenne do 14.º bairro para celebrar o aniversário da elevação destas duas canções tradicionais a Património Cultural Imaterial da Humanidade.

"O fado e o cante alentejano estão inscritos no Património Imaterial da UNESCO [Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura] e eu acho isso muito importante na nossa cultura. Surgiu, então, a vontade nos juntarmos para fazer uma festa e uma homenagem à cultura portuguesa", disse Valérie do Carmo, fundadora da Academie de Fado em Paris, em declarações à agência Lusa.

A Academie de Fado foi fundada em 2014 e dá cursos de guitarra e viola de fado, e canto para iniciantes, promovendo aulas especiais com fadistas oriundos de Portugal.

Mas o interesse para cantar e tocar fado não é exclusivo de portugueses ou lusodescendentes, mas uma forma de aproximar os franceses da cultura portuguesa.

"Temos um aluno que chegou à Academie de Fado porque se apaixonou pelo fado em Lisboa, mas não sabia uma palavra de português. Aí, a aprendizagem da língua veio com a aprendizagem do fado”, declarou Valérie do Carmo, acrescentando: “Temos uma aluna francesa de guitarra portuguesa que, como se interessava pelas letras do fado, começou a ter aulas de português no instituto Camões".

No grupo Cantadores de Paris, criado em 2016, a maior parte dos intérpretes são estrangeiros.

"O meu marido é português, não do Alentejo, mas o cante não me era estranho. Nunca serei solista, mas cantar em português é uma felicidade e também é difícil, é uma música tão rica", disse Marie Ondine, francesa, que integra o grupo há poucos meses.

Carlos Balbino, fundador do grupo, continua sempre à procura de novos membros para reforçar as atuações.

"O grupo tem agora 12 pessoas, mas queremos sempre dar oportunidade a novas pessoas de experimentarem o cante. Temos alguns membros que estão connosco, mas que, assumidamente, nunca querem fazer concertos. Gostam do ambiente e da música, mas não querem subir ao palco", explicou Carlos Balbino.

A aparição de uma viola campaniça, trazida por Carlos Balbino e que acompanha tradicionalmente o cante, suscitou o interesse do público.

Nessa altura, Domingos Trindade, de Serpa e que viveu 40 anos em França, interveio, explicando o instrumento e emocionou-se.

"Quando vos oiço aqui a cantar a canção que o meu pai cantava, faz-me sentir muita emoção", declarou Domingos Trindade.

Os Cantadores de Paris estiveram em setembro em Portugal, para gravar o álbum "Alentejo ensemble", que está agora em pós-produção, e preparam-se para aumentar o número de cantadores com um segundo grupo apoiado pela Universidade de Paris Nanterre.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.