Cancro digestivo é o segundo mais frequente em Portugal


 

Lusa   Nacional   30 de Set de 2007, 12:55

O cancro digestivo, o segundo tumor mais frequente em Portugal, é responsável pela morte de três mil portugueses por ano, revelou hoje o director do serviço de Oncologia do Hospital de Évora.
Sérgio Barroso, que falava à Lusa por ocasião do Dia Nacional do Cancro Digestivo, que se assinala hoje, disse que "só em Portugal, e segundo dados oficiais, são diagnosticados cerca de 5.000 novos casos anualmente, sendo que em cerca de 25 por cento dos casos o diagnóstico só é feito quando a doença já está metastizada" (em estado avançado).
Segundo dados oficiais, apenas três em cada 100 pessoas com cancro digestivo em estado avançado sobrevivem mais de cinco anos.
De acordo com o director do serviço de Oncologia do Hospital de Évora, o facto dos sintomas da doença - falta de apetite, emagrecimento, dores abdominais, perda de sangue nas fezes - "serem comuns a outras doenças, faz com que as pessoas não os valorizem adequadamente e não recorram aos serviços de saúde atempadamente".
É precisamente para sensibilizar a população para esta doença e alertar para um diagnóstico que o Grupo de Investigação do Cancro Digestivo (GICD) organiza, desde 2003, em várias cidades do país, um conjunto de iniciativas para assinalar o Dia Nacional do Cancro Digestivo.
Este ano, e devido à incidência da doença na região alentejana, onde são diagnosticados "mais de 300 novos casos por ano", o GICD escolheu a cidade de Évora.
Durante a manhã, numa marcha pelas ruas da cidade, os membros do GICD distribuíram informação alusiva à doença, dando especial destaque à prevenção e ao diagnóstico precoce.
Isto porque, e segundo explicou Sérgio Barroso, "a informação é a arma fundamental para lutar contra uma doença que já é um problema importante em termos de saúde pública em Portugal".
"Evitar fumar, beber bebidas alcoólicas e comer em excesso" são alguns dos conselhos para evitar esta doença, que é responsável por 130.000 mortes por ano, só na Europa.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.