Bombeiros, militares e voluntários limparam zona costeira de Rabo de Peixe

Bombeiros, militares e voluntários limparam zona costeira de Rabo de Peixe

 

Lusa / AO online   Regional   1 de Out de 2011, 13:56

A presidente da Junta de Freguesia de Rabo de Peixe admite as dificuldades, mas persiste no objetivo de acabar com o hábito de alguns dos habitantes de lançar lixo na orla costeira desta vila de S. Miguel, nos Açores.

“A zona marítima de Rabo de Peixe tem recolha de resíduos todos os dias, inclusivamente ao domingo, mas algumas pessoas continuam a lançar lixo nas rochas”, afirmou Maria do Céu Estrela em declarações à Lusa, a propósito da campanha desenvolvida durante toda a semana para eliminar o passivo ambiental de uma das localidades mais populosas dos Açores.

A operação 'Lixo Zero em Rabo de Peixe' incidiu na orla costeira e envolveu cerca de 200 pessoas, entre as quais bombeiros, militares, funcionários autárquicos, escuteiros, trabalhadores de empresas privadas e voluntários.

A campanha, uma iniciativa conjunta da Junta de Freguesia e do Governo Regional, permitiu a recolha de “muitas toneladas de detritos” da mais variada natureza, desde peças de máquinas de lavar roupa e louça, a plásticos e linhas de pesca, mas a autarca frisou que a tarefa tem de continuar.

Para Maria do Céu Estrela, além de investir na limpeza continuada da costa, importa apostar numa mudança de comportamentos, considerando que esta operação teve o mérito de suscitar “vergonha” à “minoria que prevarica”.

“Essa minoria está a sentir-se envergonhada do que tem feito”, frisou, salientando ser “incompreensível” que algumas pessoas “se deem ao luxo de lançar às rochas o colchão ou o fogão", quando o carro de recolha deste tipo de resíduos lhes passa à porta.

A autarca disse acreditar que este tipo de comportamentos tende a desaparecer nesta vila piscatória com cerca de nove mil habitantes, referindo que os jovens se manifestam particularmente sensíveis ao problema.

Como sinal dessa sensibilidade, Maria do Céu Estrela relatou o caso de uma criança que lhe se lhe dirigiu para “contar um segredo", que a avó tinha colocado o lixo na rocha.

A presidente da autarquia local referiu ainda que há residentes de localidades limítrofes que lançam o seu lixo em Rabo de Peixe, admitindo a necessidade de estender a limpeza do passivo ambiental a outras zonas da vila, além da orla costeira.

Maria do Céu Estrela reconheceu ter sido reduzido o número de moradores da freguesia envolvidos na operação, mas declarou-se confiante que, “com o tempo, se persistirmos, vão envolver-se mais”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.