BE quer alterar lei para evitar corte no ‘cheque pequenino’ que este ano atingiu 336 idosos

BE quer alterar lei para evitar corte no ‘cheque pequenino’ que este ano atingiu 336 idosos

 

Susete Rodrigues/AO Online   Regional   30 de Ago de 2018, 16:01

Em comunicado, os bloquistas referem que “em causa estão idosos que aguardam a emissão de um comprovativo da pensão que recebem por terem trabalhado no estrangeiro, e que devido ao atraso na entrega desta documentação, por parte dos respetivos países, viram o Governo Regional cortar-lhes o chamado ‘cheque pequenino’.

Desta forma, o Bloco de Esquerda vai propor uma alteração à lei no sentido de alargar o prazo para a entrega deste comprovativo à Segurança Social, para evitar que a situação se venha a repetir no futuro.


“Estão em causa idosos com reformas muitos baixas, a quem este apoio, de apenas algumas dezenas de euros, faz muita diferença, e que não podem ser prejudicados por um atraso que não é da sua responsabilidade”, diz o partido.


Em resposta a um requerimento do Bloco de Esquerda, o Governo Regional confirma que, “dos 1275 beneficiários do Complemento Regional de Pensão que auferem pensões do estrangeiro, 336 não entregaram o documento que é emitido pelos países em que trabalharam”.


Esta situação não é inédita, diz ainda o comunicado do Bloco de Esquerda, que recorda que em julho de 2016, denunciou o corte do complemento regional de pensão a centenas de beneficiários que auferiam reformas do estrangeiro.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.