BE/Açores denuncia atraso de um ano na conclusão de estudo sobre toxicodependência

BE/Açores denuncia atraso de um ano na conclusão de estudo sobre toxicodependência

 

Lusa/AO Online   Regional   9 de Jan de 2019, 16:38

O grupo parlamentar do BE/Açores denunciou, esta quarta-feira, o atraso de um ano na conclusão do estudo do Governo Regional sobre a toxicodependência no arquipélago e quer saber “para quando está prevista a sua apresentação”.

Em comunicado, a representação parlamentar bloquista refere que foi aprovada por unanimidade no parlamento açoriano, em janeiro de 2017, “uma proposta do Bloco de Esquerda que recomendava ao Governo Regional a realização de um estudo sobre a problemática da toxicodependência na região, que devia estar concluído no prazo de um ano”, e pede ao executivo açoriano explicações para “este enorme atraso” e que “indique em que ponto se encontra a realização do estudo”.

E prossegue a nota: “Os dados divulgados nos relatórios de 2013 e 2016 do Instituto da Droga e da Toxicodependência, e no inquérito nacional ao consumo de substâncias psicoativas realizado pelo Serviço de Intervenção nos Comportamentos Aditivos e Dependência, revelam que os Açores são uma das regiões de Portugal em que se verifica uma maior prevalência de consumo de substâncias aditivas, em particular nos jovens”.

Foram estes números “preocupantes” que motivaram a proposta da “realização de um estudo que resultasse não só na caracterização da situação atual – com particular enfoque nos consumidores, nomeadamente quanto a escalão etário, género, situação perante a escolaridade e o emprego, condições socioeconómicas, tipologia e padrões de consumo e área geográfica de residência –, mas também na apresentação de propostas de intervenção adequadas aos resultados do diagnóstico”.

Assim, os deputados do BE “querem saber por que razões o estudo ainda não foi concluído e para quando está prevista a sua apresentação”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.