Banco Central Europeu deve baixar taxas de juro


 

Lusa/AO online   Economia   20 de Set de 2011, 17:56

O Fundo Monetário Internacional apelou a que o BCE continue a intervir no mercado da dívida e reduza as suas taxas de juro caso as tendências descendentes persistirem sobre o crescimento e a inflação.
“A crise na zona euro está para lá do controlo dos políticos, apesar da forte resposta acordada a 21 de Julho. Os líderes europeus devem ratificar rapidamente os compromissos definidos na cimeira de Julho e, entretanto, o Banco Central Europeu (BCE) deve continuar a intervir fortemente para manter as condições ordeiras nos mercados da dívida soberana”, escreveu o Fundo Monetário Internacional (FMI) no seu ‘World Economic Outlook’.

Para além disso, indicou o FMI, “dadas as pressões decrescentes sobre a inflação e o aumento das tensões financeiras e soberanas, o BCE deve baixar a sua taxa de juro se os riscos descendentes sobre o crescimento e a inflação se mantiverem”.

O Fundo Monetário Internacional espera um abrandamento da economia europeia, em especial dos países que partilham o euro, devido às renovadas tensões na crise da dívida soberana, que se deverá manifestar em maior força no próximo ano.

De acordo com as projecções hoje divulgadas no ‘World Economic Outlook', a economia europeia deverá crescer apenas 1,5 por cento no próximo ano, quando na anterior edição deste documento (em Abril) esperava um crescimento a rondar os 2,2 por cento, mantendo no entanto o valor para este ano, e baixa a previsão do crescimento da Zona Euro de 1,8 por cento para 1,1 por cento.

“Défices orçamentais e dívidas públicas elevadas, menor crescimento potencial e crescentes tensões no mercado estão a pesar no crescimento em muitos dos países da Europa desenvolvida. Acresce que existe um processo de transição em curso para uma maior diferenciação de risco da dívida soberana entre os membros da Zona Euro”, indicou o FMI.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.