Azores Fringe quer "internacionalizar os Açores através das artes", diz Terry Costa

Azores Fringe quer "internacionalizar os Açores através das artes", diz Terry Costa

 

AO Online   Regional   7 de Jul de 2019, 01:52

Terry Costa falava no âmbito do encerramento do 7º Azores Fringe e avançou que a associação MiratecArts já acolheu mais de 1800 artistas de 61 países através do  festival internacional de artes e de outros programas anuais.

"Explosão artística dos Açores para o mundo" deu o mote. O seu mentor, Terry Costa, admite que quando iniciou a MiratecArts não imaginava que o mundo iria abraçar o projeto e investir para vir até ao meio do Oceano Atlântico, onde as audiências nem sempre estão presentes ou abertas a algo diferente. "Sinto-me cheio de orgulho do que já conseguimos fazer e o que estas sementes podem produzir, nos anos que vêm a caminho. E ainda mais orgulhoso da forma como as audiências têm acolhido e respondido à arte que não lhes é familiar."

Este mês passado, o Fringe acolheu uma artista russa aumentando, assim, a lista de participantes para 61 países. Alisa Rekunova deixou uma instalação na MiratecArts Galeria Costa, à qual chama de "Fairies Kingdom" mas admite que é só o início. "Quero voltar em breve a esta ilha e a este espaço que a MiratecArts criou para os artistas do mundo" diz a russa que chegou ao Pico depois de um projeto na Estónia e sai a caminho de uma conferência em Moscovo, onde vai falar da sua primeira experiência nos Açores.

Ora falar e levar as suas experiências dos Açores para o mundo é o que a dupla de bailarinos Sebastian Bartilson e Jonny Berg também promete fazer. Depois de apresentarem "Emerger", uma dança contemporânea no Pico, vão a caminho do festival de artes na Islândia. "Às vezes é preciso uma viagem a um lugar como este para perceber como estamos distraídos da Mãe Natureza e das coisas simples" expressa o bailarino chileno Sebastian, enquanto o sueco Jonny continua, "Três dias na ilha do Pico aproximaram-nos de quem somos e do que representamos através da nossa expressão artística. Isso foi graças ao Azores Fringe, uma importante contribuição não só para a ilha, mas para todo o mundo."

"Além de incentivarem os artistas açorianos, estes e outros artistas estrangeiros que passam pelos Açores são dos melhores cartazes de publicidade para as nossas ilhas" declara Terry Costa. "Os artistas são os mensageiros do bom acolhimento da cultura açoriana e das belas paisagens que as nossas ilhas fornecem - não há dinheiro que pague esta contribuição."

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.