Apenas 13% dos casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica estão diagnosticados

Apenas 13% dos casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica estão diagnosticados

 

Lusa/AO Online   Nacional   27 de Out de 2013, 15:06

Apenas 13% dos casos de Doença Pulmonar Obstrutiva Crónica (DPOC) estão diagnosticados, segundo a Sociedade Portuguesa de Pneumologia (SPP), que estima que esta doença afete cerca de 800 mil portugueses.

Pelo facto desta doença respiratória se encontrar subdiagnosticada, muitos doentes só procuram um médico depois de perderem cerca de 50% da capacidade respiratória, alertou hoje a SPP em comunicado. Carlos Robalo Cordeiro, presidente da Sociedade Portuguesa de Pneumologia, salienta no comunicado que “é fundamental promover o diagnóstico precoce, de modo a intervir atempadamente e abrandar o declínio da capacidade respiratória do doente” e sublinha que cerca de 86% dos doentes a quem foi feito o diagnóstico com base na realização de uma espirometria não estavam identificados. A SPP defende ser importante promover o acesso à espirometria através dos Cuidados de Saúde Primários, pois de acordo com a vice-presidente da organização, Cristina Bárbara, “é impossível diagnosticar a DPOC à luz da simples observação sem a realização de uma espirometria”. A DPOC foi um dos temas debatidos no XXIX Congresso de Pneumologia, que decorreu entre sexta-feira e hoje em Albufeira. Segundo uma projeção da Organização Mundial de Saúde, esta será a quinta causa de incapacidade em 2030. Em Portugal, a mortalidade por doenças respiratórias constitui a terceira principal causa de morte a seguir às doenças cardiovasculares e aos tumores, de acordo com os dados do Programa Nacional para as Doenças Respiratórias.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.