Açoriano Oriental
Agência Europeia para a Segurança da Aviação recomenda às companhias aéreas que evitem sobrevoar o Irão

A Agência Europeia para a Segurança da Aviação recomendou este sábado às companhias aéreas europeias que evitem sobrevoar o Irão "até novo aviso", após a queda de um avião civil ucraniano, abatido por engano, que matou 176 pessoas.

article.title

Foto: EPA/DOMINIK GUENTHER
Autor: AO Online/ Lusa

"Com base em todas as informações disponíveis, a recomendação face às atuais condições de segurança é que sobrevoar o Irão a qualquer altitude deve ser evitado até novo aviso, como medida de precaução", afirmou a agência europeia (EASA) num comunicado de imprensa.

A agência disse que as instruções para o vizinho Iraque também não mudaram e que as companhias aéreas também devem evitar sobrevoar aquele país.

Após vários dias de negação, as autoridades iranianas admitiram hoje que a sua defesa aérea abateu, por engano, na quarta-feira um avião ucraniano, num contexto de grande tensão regional.

"Esta é uma situação muito evolutiva e uma nova avaliação será feita com a Comissão Europeia e os Estados-membros da União Europeia no início da próxima semana", acrescentou a EASA.

Muitas companhias aéreas, incluindo a francesa Air France e a alemã Lufthansa, já tinham anunciado medidas cautelares em relação aos voos para o Médio Oriente, incluindo a proibição dos seus aviões sobrevoarem o espaço aéreo iraniano e iraquiano, após ataques iranianos contra bases neste país, e o acidente com o Boeing ucraniano perto de Teerão.

O Presidente do Irão, Hassan Rohani, prometeu “levar à justiça” os responsáveis pelo abate, de forma inadvertida, do avião civil ucraniano com um míssil iraniano, divulgou hoje a Presidência da Ucrânia, precisando que a promessa foi feita durante uma conversa telefónica com o Presidente da Ucrânia, Volodymyr Zelenskiy.

O Irão admitiu hoje responsabilidades no derrube do aparelho da companhia Ukraine International Airlines (UIA) na quarta-feira passada, tendo informado que o avião civil ucraniano tinha sido abatido inadvertidamente por militares iranianos que o confundiram com um míssil de cruzeiro devido ao estado de alerta decretado por causa da recente escalada de tensão entre Washington e Teerão.

A declaração de Teerão surge depois de informações avançadas por alguns países, nomeadamente os Estados Unidos e o Canadá, indicando que o aparelho poderia ter sido abatido, inadvertidamente, pelo sistema de defesa antiaéreo iraniano.

Em reação ao reconhecimento iraniano, o Presidente da Ucrânia exigiu hoje de manhã a punição dos responsáveis pelo abate e o pagamento de indemnizações por parte do Irão.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.