África na lista das prioridades portuguesas para Cimeira com China


 

Lusa/Ao online   Nacional   28 de Nov de 2007, 05:19

O diálogo estruturado sobre África é uma das prioridades portuguesas para a Cimeira de hoje entre a União Europeia e a China, ao lado de temas ambientais, diplomáticos e energéticos, disse o embaixador português em Pequim.
A presidência alemã da UE, que precedeu a portuguesa durante o primeiro semestre de 2007, lançou com Pequim o diálogo entre a UE e a China sobre África, no contexto da cada vez presença chinesa maior no continente, mas falta ainda definir com a liderança chinesa os temas desse diálogo, algo em que Lisboa se empenhou.

    "Certamente que o nosso interesse nas questões do relacionamento com África e que o facto da nossa política externa ter um especial envolvimento em África se traduziu num relevo especial dado a esse assunto", disse Rui Quartin Santos à Agência Lusa.

    O embaixador português salientou que a China está agora mais aberta ao diálogo com a Europa sobre África, que poderá até resultar numa cooperação trilateral entre Bruxelas, Pequim e o continente africano.

    "Vai-se criando uma ideia de que há matérias de interesses comum, empenho de ambas as partes num conjunto de objectivos e matérias em que as duas partes têm interesse em dialogar", disse Quartin Santos.

    Segundo o embaixador, outra das prioridades da presidência é assegurar um maior papel diplomático e político da China nas grandes questões internacionais.

    "Queremos desenvolver o diálogo entre a UE e a China sobre temas de actualidade internacional… para que o papel político da China acompanhe cada vez mais o seu próprio desenvolvimento económico", disse Rui Quartin Santos, destacando temas como a não-proliferação nuclear, Médio Oriente, Irão, Kosovo, Coreia do Norte e Birmânia.

    "Trata-se de um contributo importante para a estabilidade e a paz internacional", sublinhou Quartin Santos.

    Questões como a segurança energética e alterações climáticas estão também na lista das prioridades portuguesas, até porque a China é um dos maiores consumidores mundiais de combustíveis fósseis e o maior emissor mundial de gases de efeito estufa, causadores do aquecimento global.

    As prioridades portuguesas prendem-se também com a realização da Cimeira de Bali em Dezembro de 2007.

    Segundo disseram à Agência Lusa fontes do Ministério dos Negócios Estrangeiros em Lisboa, Portugal desejaria evitar na Cimeira uma discussão alargada do Tratado de Parceria e Cooperação com a China, o novo tratado que deverá ser aprovado até 2009 e que vai regular as relações bilaterais, com deveres e direitos à luz do direito internacional.

    "As negociações vão ser longas, até porque a UE deseja um acordo único enquanto a China quer uma divisão em dois acordos, um político e outro económico. Por outro lado, as negociações são dificultadas devido à existência em Pequim de dois interlocutores, o Ministério dos Negócios Estrangeiros e o Ministério do Comércio", disse a mesma fonte.

    "O objectivo é fazer apenas uma breve avaliação das negociações", disse a fonte diplomática.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.