Açores e Santa Catarina destacam educação e cultura no reforço da identidade açoriana

Açores e Santa Catarina destacam educação e cultura no reforço da identidade açoriana

 

Lusa/AO Online   Regional   12 de Mar de 2019, 20:00

O Governo dos Açores e duas instituições culturais de Santa Catarina destacaram, esta segunda-feira, as ações culturais e escolares como "linha condutora" da estratégia de reforço da açorianidade naquele estado brasileiro, onde há "um grande apego" às raízes.

“Este Estado para nós é particularmente importante, porque lá habitam açorianos e açorianas de grande ligação aos Açores. São açorianos de quarta, quinta e sexta geração. Algumas gerações de há 270 anos e o que é interessantíssimo neste Estado brasileiro de Santa Catarina é que são açorianos que assumem ser açorianos. Desejam e têm orgulho em ser açorianos”, afirmou o secretário regional Adjunto da Presidência para as Relações Externas.

Rui Bettencourt falava aos jornalistas, após ter reunido em Ponta Delgada, ilha de São Miguel, com a presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Ana Lúcia Coutinho, e a superintendente da Fundação Cultural de Florianópolis “Franklin Cascaes”, Roseli Maria Pereira.

Salientando que se tratam de duas instituições culturais de “grande dimensão e importância” em Santa Catarina, o governante sustentou que a estratégia para reforçar "a açorianidade" naquele estado brasileiro "passa muito pela educação".

“Passa pela presença dos Açores nas escolas, pela divulgação da cultura açoriana”, acrescentou Rui Bettencourt, reforçando que aquelas duas instituições culturais "estão a colocar a questão nestes termos" e, como tal, desenvolvem "cada vez mais ações nas escolas de difusão da cultura e da identidade açoriana".

O secretário regional referiu que há também a questão dos intercâmbios económicos que necessitam de ser reforçados, nomeadamente no turismo e, até noutras áreas, mas frisou que esta questão "cultural e identitária açoriana é muito importante".

No ano passado, o presidente do Governo dos Açores, Vasco Cordeiro, visitou Santa Catarina, estado brasileiro que declarou 2018 como "Ano dos Açores em Santa Catarina", onde, entre 1748 e 1754, desembarcaram os primeiros emigrantes da região autónoma.

“E estar-se em Santa Catarina é estar-se no meio daquilo que é açoriano com grande apego aos Açores. Gostei muito de ouvir hoje das responsáveis que há um movimento na sociedade. Não são episódios isolados, são movimentos na sociedade de fundo que afirmam a ligação aos Açores, nomeadamente os jovens. E isso é muito interessante”, lembrou ainda Rui Bettencourt.

Para a superintendente da Fundação Cultural de Florianópolis “Franklin Cascaes”, Roseli Maria Pereira, é importante também potenciar "os intercâmbios culturais" entre o arquipélago e o estado brasileiro.

"Temos procurado através da Casa dos Açores de Santa Catarina, em conjunto com o Governo açoriano e Prefeitura Municipal de Florianópolis, fortalecer estas relações através de projetos com trabalhos académicos e comunitários, com mestres, artesãos e com produtores culturais que venham a reconhecer, a disseminar e a criar uma relação de pertença entre munícipes, comunidade e até artistas e produtores culturais", sublinhou.

A presidente da Fundação Catarinense de Cultura, Ana Lúcia Coutinho, realçou o incremento dos intercâmbios culturais “também como fortalecimento para o turismo”.

"Antigamente os intelectuais de universidades e pesquisadores é que apontavam, por exemplo, que a Festa do Divino Espírito Santo é importante. Hoje é a sociedade civil que diz que essa festa é importante como identidade cultural e pretende que essa festa seja reconhecida pelo Estado", explicou.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.