50 graus negativos no Extremo Oriente da Rússia


 

Lusa/AO Online   Internacional   18 de Dez de 2008, 10:20

O mercúrio dos termómetros desceu hoje abaixo dos 50 graus negativos na Iakútia, república do Extremo Oriente russo, mas está ainda longe do recorde.

   “Na quinta-feira, no sul da Iakútia, a temperatura desceu até aos 58 graus negativos”, declarou à agência noticiosa Ria-Novosti um funcionário da Direcção de Meteorologia dessa região, chamando a atenção para o facto de “em Dezembro, normalmente, o tempo ser significativamente mais quente”.

    O funcionário constatou que o “pólo do frio”, onde se registam as temperaturas mais baixas, do Hemisfério Norte se deslocou mais para o sul.

    “Na localidade de Oimiakon, que foi sempre considerado o “pólo do frio” no Hemisfério Norte, faz mais calor: 57 graus negativos. Nas regiões centrais da Iakútia, observa-se temperaturas normais para Dezembro: entre os 50 e os 55 graus abaixo do zero”, afirmou.

    Sublinhou que o frio intenso obrigou ao encerramento de muitas escolas e ao aumento do trabalho nos postos médicos e hospitais.

    “Estão a entrar numerosas pessoas com fortes resfriamentos nas enfermarias de queimaduras”, acrescentou.

    Segundo a Direcção de Metereologia da Iakútia, esta república da Rússia é caracterizada por um clima extremamente continental, com longo Inverno e Verão muito curto.

    A amplitude máxima das temperaturas médias do mês mais frio, Janeiro, e do mais quente, Julho, é de 70 a 75 graus centígrados. Nas montanhas e estreitos, o mercúrio do termómetro pode descer até aos 70 graus negativos.

    Entretanto, Moscovo e outras regiões da parte ocidental da Rússia continuam à espera de neve. Numa altura em que a capital russa já devia estar coberta por um manto branco, vê-se apenas uma fina camada de cristais brancos que o Serviço Metereológico da Rússia afirmou serem de “origem tecnogénica”.

    Esta neve artificial é provocada pela humidade lançada pelas fábricas e centrais termoeléctricas que, em contacto com temperaturas negativas, se cristaliza.

    Os meteorologistas prometeram “neve a sério” apenas para o fim do mês.

   

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.