300 sismos próximo de armazém de gás Castor no Golfo de Valência

300 sismos próximo de armazém de gás Castor no Golfo de Valência

 

Lusa/AO online   Internacional   1 de Out de 2013, 10:08

Mais de 300 sismos registaram-se nas últimas duas semanas, entre eles um esta terça-feira, de magnitude 4,2 na escala de Richter, na zona do Golfo de Valência próximo de um polémico armazém subterrâneo de gás natural instalado nas costas de Vinarós (Castellón, Espanha).

 

Dados do Instituto Geográfico Nacional referem que só hoje se registaram 20 sismos, a maioria de baixa intensidade, numa situação que se repete desde 13 de setembro.

O projeto Castor, com um investimento de 1.200 milhões de euros, procura aproveitar um antigo poço petrolífero a 1.750 metros de profundidade abaixo do nível do mar para fornecer até um terço da procura de gás do sistema durante 50 dias.

No entanto, a injeção de gás está, alegadamente, a provocar a intensa atividade sísmica na região.

Segundo dados do Instituto Geográfico Nacional, às 03:23 de hoje registou-se no Golfo de Valência um sismo de magnitude 4,2, o de maior intensidade desde que começaram a registar-se estes terramotos relacionados com o projeto Castor.

Em declarações à Efe, o vogal do Colégio de Geógrafos de Espanha Jonathan Gómez Cantero alertou, na segunda-feira, de que os microssismos produzidos pela atividade da unidade de Vinaròs estavam a aumentar em frequência e intensidade.

No passado dia 26 de setembro o Ministério de Indústria ordenou a interrupção temporária da atividade de extração de gás na unidade para pesquisar as causas do aumento da atividade sísmica na zona.

Apesar de a unidade não estar a extrair nos últimos dias, Gómez Cantero considera que não é necessário que se esteja a extrair gás para que os sismos estejam relacionados com a atividade da Castor.

A empresa Escal UGS, que gere o projeto Castor, deverá emitir hoje um comunicado sobre o assunto.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.