Açoriano Oriental
"Vulcão dos Capelinhos tem potencial para ser laboratório de exploração de Marte"

O ex-diretor do departamento científico da agência espacial norte-americana James Garvin afirmou que o vulcão dos Capelinhos, nos Açores, é “um livro aberto” com potencial para se tornar num “laboratório” de exploração sobre o sistema vulcânico em Marte.

"Vulcão dos Capelinhos tem potencial para ser laboratório de exploração de Marte"

Autor: Lusa/AO Online

“Nós conseguimos ver Marte na Terra através do vulcão dos Capelinhos”, afirmou James Garvin em entrevista à agência Lusa via telefone, a propósito da expedição da NASA que usou o vulcão da ilha do Faial para treinar a exploração da paisagem de Marte.

James Garvin falava à Lusa no âmbito das comemorações dos 500 anos da viagem de circum-navegação de Fernão de Magalhães, nas quais participará, na quarta-feira, em direto através de uma plataforma digital.

A iniciativa GLEX-Global Exploration Summit é um evento digital em ‘live streaming’ e contará com vários oradores além James Garvin.

A expedição levou cientistas da agência espacial norte-americana (NASA), do Reino Unido e de Portugal a estudar o vulcão que nasceu do mar no final dos anos 1950, em condições muito semelhantes às que se terão verificado em Marte há mil milhões de anos.

James Garvin, que dirigiu o departamento científico da NASA entre 2004 e 2005, afirmou que o vulcão dos Capelinhos é “absolutamente importante” para a ciência planetária e um “livro aberto” para os cientistas.

“São muito poucos os sítios na Terra onde podemos ver um sistema vulcânico desde o nascimento até ao seu estado posterior de vida. O vulcão dos Capelinhos foi o primeiro que os cientistas de vários países estudaram de forma tão cuidadosa”, observou o cientista-chefe do Centro de Voo Espacial Goddard da NASA.

Para o cientista, o vulcão dos Capelinhos deveria ser “usado como laboratório” permitindo estudar o sistema vulcânico em Marte para perceber se “talvez existem” antigos registos de vida naquele planeta.

“O vulcão de Capelinhos, as suas rochas e a sua história são importantes para Marte”, sublinhou James Garvin, que lidera agora missão DAVINCI+, uma das quatro investigações selecionadas do Programa de Descobertas da NASA.

A missão, uma homenagem ao artista e cientista renascentista Leonardo da Vinci, tem como rumo planetário Vénus, “uma peça de arte de planeta”, caracterizou James Garvin.

Apesar dos EUA já não estudarem a atmosfera de Vénus desde 1978 (ano da última missão ‘in situ’ em Vénus), o cientista acredita tratar-se de “uma questão de tempo”.

“Precisámos de olhar para Vénus para ver o nosso próprio destino e é por isso que queremos voltar. As pessoas precisam de regressar para conectar Vénus com a Terra”, afirmou.

Questionado sobre como seria possível conectar dois planetas, aparentemente, tão distintos, James Garvin disse acreditar que “Vénus pode ter tido oceanos com água em estado líquido como a Terra há biliões de anos”.

“Não conseguimos provar isso, por isso é que precisamos de lá voltar, com uma nave espacial sofisticada para descobrir”, salientou o cientista, acrescentando que Vénus pode ser “um ingrediente ausente” nos estudos planetários.

“E se Vénus tivesse vida? E se Vénus for um elo perdido de como o planeta evoluiu e passou do mundo dos oceanos, como a Terra, para mundos que não são assim?”, questionou.

Para tentar responder a estas e outras questões, a missão DAVINCI+ pretende analisar a atmosfera de Vénus e entender como ela “se formou e evoluiu”.

Quanto aos desafios que uma missão a Vénus coloca, James Garvin enalteceu que o fundamental é “escolher a melhor engenharia” e “ser inteligente, inovador e criativo”.

“Quando formos a Vénus temos de ter engenharia e tecnologia especial para estarmos preparados para desafios que não podemos confrontar e que não podemos derrotar. Se formos capazes disso, então podemos ir a qualquer lado”, afirmou.

E acrescentou, “Vénus pode ser o exemplo de que podemos explorar os lugares mais difíceis do espaço. Se enviamos humanos para a Lua, se enviamos robôs para Marte, então também conseguiremos enviar uma nave espacial robótica para Vénus”.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.