Açoriano Oriental
Von der Leyen, Michel e Sassoli assinalam “tragédia europeia” do Holocausto em Jerusalém

A presidente da Comissão Europeia, o presidente do Conselho Europeu e o presidente do Parlamento Europeu lembraram, em declaração conjunta, a "tragédia europeia" do Holocausto, no fórum mundial sobre o tema em Jerusalém.

article.title

Foto: EPA/STEPHANIE LECOCQ
Autor: Lusa/AO Online

"Há 75 anos, as forças aliadas libertaram o campo de concentração nazi Auschwitz-Birkenau. Acabaram com o crime mais aberrante da história europeia - a aniquilação planeada dos judeus na Europa. Seis milhões de crianças, mulheres e homens judeus foram assassinados, bem como milhões de pessoas inocentes foram perseguidas devido à sua etnia. O preço foi muito alto, mas não podia haver triunfo maior e mais simbólico sobre os nazis do que comemorar a vitória em Israel", lê-se no texto.

Ursula Von der Leyen, Charles Michel e David Sassoli destacam que a "Shoa" (Holocausto) "foi uma tragédia europeia, um ponto de rutura na história e o seu legado ficou marcado no ADN da União Europeia".

"Temos o dever de estar lado a lado com as comunidades judaicas que se sentem novamente ameaçadas na Europa, mais recentemente em Halle, Alemanha. Todos os estados-membros estão unidos e determinados para que não haja qualquer forma de racismo, antissemitismo ou ódio na Europa. Faremos tudo o que for preciso para os combater. As autoridades e outros atores da sociedade civil devem unir-se e reafirmar a vigilância europeia sempre que os valores democráticos forem ameaçados", defenderam os presidentes das três instituições europeias.

O presidente da República Portuguesa, Marcelo Rebelo de Sousa, é um dos chefes de Estado e de Governo que está em Israel para participar no 5.º Fórum Mundial do Holocausto, quando se assinalam os 75 anos da libertação do campo de extermínio de Auschwitz.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.