Jogos Olímpicos

Vicente Moura pede "profissionalismo e brio" aos atletas

 Vicente Moura pede "profissionalismo e brio" aos atletas

 

Rui Barbosa Batista e Rui Boavida, Lusa/AO online   Outras modalidades   18 de Ago de 2008, 10:41

O presidente do Comité Olímpico de Portugal (COP), Vicente Moura, pediu hoje “profissionalismo e brio” aos atletas que estão a representar o país nos Jogos Olímpicos, na primeira manifestação pública de desagrado do dirigente em Pequim2008.
    Perante atitudes e desculpas por desempenhos bem aquém das expectativas de vários atletas nos Jogos, Vicente Moura afirmou: "Nós preparamos os atletas desportivamente, mas culturalmente não, a educação não é connosco. É para o povo português. Todos temos de ter educação, olhar para a bandeira e saber que temos o povo português todo atrás de nós. Não podemos esquecer isso e não devemos defrauda-lo”.

    “Exijo apenas profissionalismo e brio para prestigiar Portugal”, vincou.

    Vicente Moura não tem gostado de algumas situações: “Uma das coisas que ninguém contava era as pessoas darem desculpas que... não são as correctas”.

    “Não é só com os participantes nacionais. Há a tentação de, imediatamente a seguir à prova, atribuir a causas externas o seu eventual menos bom desempenho”, lamentou.

    E, sem se deter, acrescentou: “Aqui não há desculpas! Fizemos o nosso trabalho todo. Estamos aqui para dignificar Portugal. Se não conseguirmos, temos a consciência que o trabalho foi bem feito. Esta foi a melhor preparação de sempre para uns Jogos Olímpicos. Disso não há duvida nenhuma. Haja os resultados que houver. E isso ninguém nega”.

    “Desafio a comunicação social e opinião pública… perguntem às federações todas se o trabalho não foi bem feito, se estão descontentes ou não. Estão contentes! Não exigi nada às federações, atletas ou técnicos”, prosseguiu.

    Vicente Moura alertou os atletas para o facto de haver muitos outros competidores que dispensam ir a provas internacionais para se dedicar dois ou três anos a preparar os Jogos Olímpicos, “pois é aí que está a glória e imortalidade”.

    “Eu tinha consciência disso, mas parece que os atletas não têm”, frisou, considerando que é esse tipo de atleta, fora dos rankings internacionais, que tem surpreendido os portugueses.

    E concluiu: “Aprendo todos os dias. Pode ser que até saia do COP, mas esta experiência importantíssima tem de ser passada para os vindouros, porque não se pode perder”.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.