Literatura

Vargas Llosa faz elogio da leitura e da literatura em discurso do Nobel


 

Lusa/AO online   Internacional   7 de Dez de 2010, 17:26

O escritor peruano Mario Vargas Llosa fez esta terça-feira , no discurso de aceitação do Prémio Nobel da Literatura, um elogio da leitura, “a coisa mais importante” que lhe aconteceu, e da literatura, que permite viver “de alguma maneira” outras vidas.
Nesse discurso, o acto mais importante da “semana Nobel”, juntamente com o ato de entrega do galardão, que decorre na próxima sexta-feira, em Estocolmo, Vargas Llosa, de 74 anos, salientou que a literatura, além de nos mergulhar no sonho da beleza e da felicidade, nos alerta para todas as formas de opressão.

Para o autor de obras como “Conversa na Catedral”, “A Tia Júlia e o Escrevedor”, “A Festa do Chibo” e o mais recente “O Sonho do Celta”, sem a ficção, o homem seria menos consciente da importância da liberdade para que a vida seja passível de ser vivida, e do inferno em que esta se transforma quando é espezinhada por um tirano, uma ideologia ou uma religião.

No seu discurso, intitulado “Elogio da Leitura e da Ficção”, Vargas Llosa prestou homenagem à mãe e aos seus mestres, de entre os quais citou Flaubert, Faulkner, Cervantes, Dickens, Tolstoi e Thomas Mann.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.