Universidade dos Açores tem único curso de Operador Marítimo-Turístico

Universidade dos Açores tem único curso de Operador Marítimo-Turístico

 

Lusa/AO Online   Regional   15 de Nov de 2009, 09:36

A Universidade dos Açores ministra o único curso de Operador Marítimo-Turístico disponível no país, que está a registar grande procura e assegura uma saída profissional quase imediata, devido ao crescimento deste sector, segundo a instituição.

“As actividades marítimo-turísticas são uma área com grande capacidade de crescimento em todo o país”, salientou João Gonçalves, director deste curso de especialização tecnológica, em declarações à Lusa a propósito do Dia Nacional do Mar, que se assinala na segunda-feira.

Esta nova área de formação tem registado uma “grande procura”, sendo a Universidade dos Açores a única no país que ministra este tipo de curso, que conta actualmente com 36 alunos, distribuídos por duas turmas.

Uma das turmas começou as aulas em Setembro de 2008 e está a cinco meses de concluir a formação, enquanto a outra apenas iniciou o curso há cerca de um mês.

“Já fomos contactados por mais pessoas interessadas em frequentar uma terceira edição deste curso, muitas das quais do continente”, salientou João Gonçalves.

Segundo o director do curso, ministrado no Departamento de Oceanografia e Pescas (DOP), na Horta, Faial, em cerca de um ano e meio, os alunos ficam habilitados com carta de mergulho, carta de patrão de alto-mar e conhecimentos ao nível da protecção do ambiente marinho.

Para João Gonçalves, o grande sucesso do curso deve-se, em parte, ao facto de resultar de uma parceria entre o DOP e a Escola Náutica Infante D. Henrique, que garante uma “qualidade fundamental” em termos de formação.

Esta parceria foi também elogiada pelo vice-presidente da Escola Náutica, Carlos Coutinho, para quem “a cidade da Horta reúne condições únicas para este tipo de cursos”, não apenas devido à sua “história náutica”, mas também devido às “potencialidades da própria ilha”.

Embora o futuro do curso ainda não esteja definido, João Gonçalves defendeu que a formação universitária deveria apostar em “cursos de curta duração”, por serem “mais versáteis” e terem “grande procura”.

Na sua perspectiva, existe ainda espaço para o desenvolvimento de outras áreas, como o mergulho, que é um sector que revela ainda um défice de formação no país.

“Quem quiser tirar uma especialização na área do mergulho ou faz no privado ou entra para a Marinha Portuguesa”, frisou João Gonçalves, acrescentando que a alternativa é “ir tirar o curso a Espanha”.

Além dos 36 alunos que frequentam o Curso de Operador Marítimo-Turístico, o DOP, que é o pólo da universidade mais ligado à investigação, possui cerca de 40 estudantes que estão completar doutoramentos e mestrados na área da biologia marinha.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.