Troika reúne-se com Assunção Esteves e com deputados no parlamento

Troika reúne-se com Assunção Esteves e com deputados no parlamento

 

Lusa/AO Online   Nacional   18 de Set de 2013, 08:24

A presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, recebe esta quarta-feiraa troika, que será posteriormente ouvida pelos deputados da comissão parlamentar de Acompanhamento das Medidas do Programa de Assistência Económica e Financeira (PAEF).

 

Os representantes da 'troika', composta pelo Fundo Monetário Internacional (FMI), Banco Central Europeu (BCE) e Comissão Europeia, estão em Lisboa para a oitava e nona revisões regulares ao PAEF, que decorrem em simultâneo, depois de a sétima avaliação ter demorado mais tempo do que o previsto.

Os chefes da missão da 'troika' vão reunir-se com a mesa da comissão eventual que acompanha o programa de assistência e com dois deputados de cada grupo parlamentar da mesma comissão.

Este é o terceiro dia da oitava e nona visita da 'troika' a Portugal, que é o primeiro exame regular ao PAEF liderada pelo vice-primeiro-ministro, Paulo Portas, e pela ministra das Finanças, Maria Luís Albuquerque, do lado de Portugal.

Do lado da ‘troika', também há uma dança de cadeiras, mantendo-se apenas Rasmus Ruffer (do BCE): pela Comissão Europeia, estreia-se Sean Berrigan e, pelo FMI, entra Subir Lall.

A alteração da meta do défice para 2014, dos 4% para os 4,5%, deverá ser um dos assuntos debatidos na reunião de hoje, sendo que, na semana passada, Paulo Portas disse no parlamento que, durante a sétima avaliação, 'troika' e executivo tiveram divergências e que o objetivo do défice era um dos temas em que defendiam posições diferentes, tendo acabado por prevalecer a opção da 'troika'.

"O Governo continua a pensar que a meta de 4,5% [para o défice de 2014] é a mais adequada", defendeu por fim Paulo Portas.

Na terça-feira, os representantes dos credores internacionais de Portugal reuniram-se com os parceiros sociais, em sede de Concertação Social.

No final do encontro, tanto sindicatos como estruturas patronais disseram que a 'troika' disse não ter "informação suficiente", uma vez que tinha acabado de chegar a Lisboa.

No entanto, o representante da Comissão Europeia, Sean Berrigan, terá dito que o programa em curso "está no bom caminho", segundo avançaram aos jornalistas os dirigentes da Confederação Geral dos Trabalhadores Portugueses (CGTP), da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP) e da Confederação Empresarial de Portugal (CIP).

 


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.