Trabalhadores da Valorsul exigem retirada da polícia


 

Lusa/Ao online   Nacional   19 de Nov de 2007, 08:15

Um grupo de trabalhadores da Valorsul vai deslocar-se hoje ao Ministério da Administração Interna, em Lisboa, para exigir a retirada da polícia do aterro de Mato da Cruz, onde de madrugada incidentes impediram que o lixo fosse descarregado.
"Vamos deslocar-nos hoje de manhã ao Ministério da Administração Interna (MAI) para exigir a retirada das forças policiais do aterro porque o que está em causa não são questões de ordem pública, mas sim laborais", disse à agência Lusa Delfim Mendes, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores da Química, Farmacêutica, Petróleo e Gás do Centro, Sul e Ilhas (SINQUIFA).

    O dirigente sindical falava à Lusa na sequência de incidentes ocorridos na madrugada de hoje entre a GNR e cerca de 100 elementos do piquete de greve que impediram os camiões que levavam o lixo para o aterro sanitário Mato da Cruz, em Bucelas, de o descarregar.

    "As forças policiais investiram contra o piquete de greve que tentava impedir a entrada dos camiões", descreveu Delfim Mendes, adiantando que depois "houve de tudo um pouco".

    "Os membros do piquete foram empurrados, arrastados e esmurrados", disse Delfim Mendes, classificando a acção da polícia como "ilegal e desproporcionada".

    Segundo o sindicalista, em face da confusão e depois de uma conversa entre elementos do sindicato e os encarregados da Valorsul, chegou-se há conclusão que não havia condições para que o lixo fosse descarregado e os camiões voltaram para trás cerca das 04:00.

    Delfim Mendes disse à Lusa que a situação está agora "mais calma", mantendo-se no local elementos da GNR e do piquete de greve.

    Contactado pela agência Lusa, o comando-geral da GNR confirmou apenas ter havido um pedido, dirigido ao Regimento de Infantaria de Lisboa, de "reforço do pelotão operacional" no terreno.

    Também contactada pela Lusa, fonte do gabinete de Comunicação da Valorsol remeteu para mais tarde esclarecimentos sobre os incidentes da madrugada.

    Os trabalhadores da Valorsul estão em greve desde terça-feira e por tempo indeterminado, reivindicando um aumento salarial de 3,7 por cento (a empresa oferece entre dois a 3,3 por cento, em benefício dos trabalhadores com remunerações mais baixas) e protestando contra a intenção da administração de reduzir o tempo de descanso entre turnos de 12 para oito horas.

    Hoje, para além do grupo de trabalhadores que se deslocará ao MAI, uma delegação do sindicato será recebida no gabinete do primeiro-ministro e uma segunda delegação deslocar-se-á ao Ministério do Ambiente para, segundo Delfim Mendes, sensibilizar os responsáveis para a "gravidade da situação no aterro".

    Os trabalhadores têm ainda agendado um plenário com início previsto para as 8:00.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.