Terrorismo põe Iraque em perigo

Terrorismo põe Iraque em perigo

 

Lusa / AO online   Internacional   27 de Set de 2007, 10:53

O primeiro-ministro iraquiano disse hoje em Nova Iorque que os países da região vão perceber que o terrorismo representa um perigo para eles e que um Iraque fraco "não serve os seus interesses", num discurso na ONU.
"Hoje estamos optimistas", declarou Nouri al-Maliki na Tribuna da Assembleia-Geral anual das Nações Unidas. "Os países da região vão perceber que os atentados terroristas representam um perigo para eles também e que um Iraque fraco não serve os seus interesses", acrescentou.

Insistiu que "a política estrangeira do novo Iraque é fundada na Constituição, que não permite que o seu território seja utilizado contra os seus vizinhos".

No seu discurso, o primeiro-ministro disse esperar "que as Nações Unidas relançem as suas actividades no Iraque".

"Isso contribuirá para encorajar a comunidade internacional a intensificar o seu papel nos sectores da construção, desenvolvimento, apoio ao processo de reconciliação nacional e à experiência democrática", prosseguiu.

Em Agosto, o Conselho de Segurança da ONU aprovou a resolução 1770 que atribui à ONU um papel de mediador entre os protagonistas da tragédia iraquiana.

Uma conferência a 22 de Setembro em Nova Iorque e encontros esta semana à margem da Assembleia-Geral da ONU sublinharam ainda a vontade da comunidade internacional de ver as Nações Unidas mais envolvidas.

No Iraque, pelo menos 67 pessoas morreram hoje e outras 89 ficaram feridas em consequência de vários atentados e do bombardeamento de um helicóptero norte-americano.

O ataque mais mortífero ocorreu hoje à tarde num bairro do sudoeste da capital, onde pelo menos 32 pessoas perderam a vida, entre eles mulheres e crianças, e outras 28 ficaram feridas num duplo atentado com um carro armadilhado numa zona comercial do bairro de Al Biaa, de maioria xiita.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.