Televisão da Guiné-Bissau está sem emitir há dois meses e equipamentos estão obsoletos


 

Lusa / AO online   Economia   2 de Out de 2010, 14:03

A redação, os estúdios e as salas de montagem da Televisão da Guiné-Bissau (TGB) estão todas trancadas à chave e vazias, porque os equipamentos avariaram e deixou de haver forma de fazer a “caixinha mágica” daquele país funcionar.

“O problema da TGB é um problema de equipamentos. Os equipamentos que estão cá são equipamentos que foram instalados em 1988, já passaram 22 anos. Portanto, estamos com um problema estrutural”, afirmou à agência Lusa Eusébio Nunes, diretor geral da televisão pública guineense.

Há mais de dois meses que a televisão não emite, os equipamentos não funcionam, mas o maior problema é que também já não são produzidos no mercado e não há forma de os mandar reparar.

“Os equipamentos estão completamente descontinuados, já deram o que tinham a dar, e chegou-se a um momento em que não podemos fazer mais nada”, lamenta Eusébio Nunes.

Segundo o diretor geral da televisão, a única solução é substituir um equipamento por um outro formato.

É que, acrescenta, nem os conteúdos fornecidos pelos parceiros de cooperação podem passar naquela televisão porque estão em formato digital e a TGB ainda funciona em formato analógico.

Os funcionários da televisão vão quase todos os dias às instalações da TGB, mas começam a desistir por frustração, porque não há forma de trabalhar.

Segundo Eusébio Nunes, os profissionais são muito bons e “gostariam de fazer muito mais pelo seu país”, mas sem meios começam a ficar frustrados e com pouca esperança numa solução para breve.

“O Governo não tem dinheiro. O país está com muitos problemas e há outras prioridades sociais”, diz Eusébio Nunes.

O diretor geral sublinha, contudo, que a televisão é a primeira imagem do país.

Para o fim fica o apelo para todas as televisões portuguesas, públicas ou privadas, que queiram ajudar a televisão da Guiné-Bissau.

Segundo Eusébio Nunes, neste momento qualquer ajuda é bem vinda e os guineenses agradecem.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.