Açoriano Oriental
Covid-19
Suspensão de testes da Coronavac no Brasil gera descrédito gratuito

O diretor do Instituto Butantan, organização científica e fabricante de vacinas do Brasil, disse que a suspensão dos testes da Coronavac no país, determinada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), gerou um descrédito gratuito.

Suspensão de testes da Coronavac no Brasil gera descrédito gratuito

Autor: Lusa/AO Online

"Fomentaram um ambiente que não é muito propício pelo facto de essa vacina ser feita em associação com a China. Fomentaram esse descrédito gratuito. A troco de quê?", questionou Dimas Covas, diretor do Instituto Butantan, numa conferência de imprensa realizada após o anúncio da suspensão dos testes da candidata a vacina no Brasil ser anunciada pela Anvisa.

A Coronavac está a ser testada no Brasil numa parceria entre o laboratório chinês Sinovac e o Instituto Butantan, ligado ao governo do estado de São Paulo, cujo governador, João Doria, tornou-se um dos adversários mais ferrenho do Presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, no campo conservador.

Bolsonaro e seus seguidores criticaram o facto de o imunizante contra a covid-19 ter sido desenvolvida pela Sinovac.

O Presidente brasileiro também disse publicamente que não tem interesse em adquirir o medicamento que denominou ser a “vacina do Doria” em alusão ao seu rival político em São Paulo.

As autoridades não confirmam oficialmente, mas os ‘media’ brasileiros informaram que a morte de um voluntário de 33 anos em 29 de outubro que participava na terceira fase do ensaio da Coronavac motivou a suspensão.

O diretor do Instituto Butantan, por sua vez, enfatizou novamente que a alegada morte não tem relação com a vacina.

“Os dados são transparentes. Por que nós sabemos e temos certeza de que não é um evento relacionado a vacina? Como eu disse, do ponto de vista clínico do caso e nós não podemos dar detalhes, infelizmente. É impossível que haja relacionamento desse evento com a vacina, impossível ", defendeu Covas.

A suspensão dos testes da vacina Coronavac no Brasil foi anunciada na segunda-feira pela Anvisa, órgão regulador oficial, após ser notificada da ocorrência de um "evento adverso grave".

Em nota, a Anvisa explicou que "decidiu interromper o estudo para avaliar os dados observados até o momento e julgar o risco/benefício da continuidade" após ser informada sobre este "evento adverso grave" em 29 de outubro.

Já o Instituto Butantan frisou logo que foi informado da suspensão dos testes pelos ‘media’ que a morte de um dos voluntários do estudo "não tem relação com a vacina" e, por isso, considerou que os testes devem continuar.

Na mesma linha, a farmacêutica chinesa Sinovac disse numa nota divulgada em Pequim que se convenceu da segurança de sua vacina.

“O estudo clínico no Brasil está sendo realizado de forma rigorosa e de acordo com os requisitos das boas práticas clínicas, e estamos convencidos da segurança da vacina”, disse a Sinovac em breve comunicado publicado em seu ‘site’.

“Após nos comunicarmos com nosso parceiro brasileiro, o Instituto Butantan, ficamos sabendo que sua direção acredita que esse grave evento adverso não tem relação com a vacina”, acrescentou.

Após a Anvisa suspender o estudo Bolsonaro insinuou que a decisão significava uma vitória sua.

"Mais uma vitória de Jair Bolsonaro (…) Morte, invalidez, anomalia. Essa é a vacina que Doria queria obrigar o povo paulista a tomar”, escreveu hoje o Presidente brasileiro numa resposta a um comentário de um apoiante na rede social Facebook.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.