Fátima

Secretário de Estado do Vaticano apela à "rebelião" face aos "senhores deste tempo"


 

Lusa / Ao online   Nacional   13 de Out de 2007, 11:36

O Cardeal Tarcisio Bertone, Secretário de Estado do Vaticano, apelou hoje à "rebelião" dos cristãos face aos "senhores destes tempos" que exigem o seu silêncio "invocando imperativos de uma sociedade aberta".
    Na homilia da principal eucaristia da peregrinação ao Santuário que assinala o encerramento dos 90 anos das Aparições, o Cardeal Bertone afirmou que essa rebelião se justifica "face aos pretensos senhores destes tempos (acham-se no mundo da cultura e da arte, da economia e da política, da ciência e da informação) que exigem e estão prontos a comprar, se não mesmo a impor, o silêncio dos cristãos invocando imperativos de uma sociedade aberta".

    E também, perante os que, "em nome de uma sociedade tolerante e respeitosa, impõem como único valor comum a negação de todo e qualquer valor real e permanentemente válido".

    "Face a tais pretensões, o mínimo que podemos fazer é rebelar-nos com a mesma audácia dos Apóstolos perante idêntica pretensão dos senhores daquele tempo: 'Não podemos calar o que vimos e ouvimos'", disse o Secretário de Estado do Vaticano, perante milhares de peregrinos hoje presentes no Santuário de Fátima.

    Na sua homilia, o Cardeal Tarcisio Bertone alertou para o facto de, nos tempos de hoje, muitos imaginarem "que a vitória depende essencialmente do talento, da habilidade, do valor dos que escrevem nos jornais, dos que falam nas reuniões, dos que têm um papel mais visível e que seria suficiente animar e aplaudir estes chefes como se anima e aplaude os jogadores no estádio".

    "Não existe erro mais temível e desastroso!", disse o "número dois" do Vaticano, acrescentando que "se os soldados algum dia chegassem a pensar que a vitória já não dependia deles, mas somente do Estado-Maior, esse exército marcharia de desastre em desastre".

    Assim, é fundamental, "para evitar tal desastre no que se refere ao renascimento do homem para uma sociedade nova", o esforço, "até o mais insignificante, dos servos mais humildes, dos servos de um só talento".

    Perante os milhares de peregrinos, muitos dos quais se encontram na Cova da Iria desde sexta-feira, quando assistiram às cerimónias de inauguração da nova Igreja da Santíssima Trindade, o Cardeal Bertone deixou também algumas referências à importância da mensagem de Fátima.

    Segundo o Secretário de Estado do Vaticano, Fátima é "conversão, emenda de vida, deixar de pecar, reparar a Deus ofendido no irmão".

    E dirigindo-se aos fiéis, lembrou que, "sem negar o valor dos sacrifícios e penitências voluntárias", a penitência de Fátima "é a aceitação submissa da vontade de Deus".
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.