Sarkozy e Lula da Silva discutiram mudança climática e venda de aviões militares


 

Lusa / AO online   Internacional   14 de Nov de 2009, 15:45

A França e o Brasil adoptaram hoje um texto comum para a conferência de Copenhaga sobre o clima, que Nicolas Sarkozy defenderá na cimeira dos países da Commonwealth em Tobago, na África e talvez no Brasil, anunciou hoje o presidente francês.

"Tornamos hoje público um texto brasileiro e francês porque queremos que Copenhaga seja um sucesso. Não aceitaremos um acordo dúbio", declarou Sarkozy à imprensa à saída de um encontro em Paris com o presidente brasileiro Luís Inácio Lula da Silva.

"Daqui por diante, com o presidente Lula, vamos fazer tudo o que for possível para congregar um grande número" de países em torno da questão climática, referiu o presidente francês.

"Na próxima semana, a chanceler alemã Angela Merkel e eu próprio manteremos encontros com o primeiro-ministro dinamarquês, Lars Loekke Rasmussen, e se puder vou ao Brasil para convencer alguns" países da região, acrescentou Nicolas Sarkozy.

"Vamos chegar a Copenhaga com propostas ambiciosas", garantiu Sarkozy.

Sarkozy e Lula da Silva estiveram reunidos hoje em Paris no palácio do Eliseu para tratar das questões da mudança climática e da venda de aviões militares franceses ao Brasil.

Trata-se da primeira saída internacional de Lula desde que o seu governo anunciou o compromisso de reduzir voluntariamente em 39 por cento as suas emissões de gases até 2020.

Sarkozy e Lula analisaram também a cooperação franco-brasileira e chegaram a acordo quanto a uma "associação estratégica" entre os dois países, especificou o Elíseo numa nota de imprensa.

A visita de Lula a Paris fez parte de um périplo que o levará também a Roma, para onde partirá ainda hoje, onde tem em agenda um encontro com o primeiro-ministro italiano, Silvio Berlusconi, participando ainda na primeira Cimeira Mundial sobre a Segurança Alimentar da FAO.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.