Armamento

Rússia pode reiniciar fabrico de mísseis de curto e médio alcance


 

Lusa / AO online   Internacional   26 de Out de 2007, 11:12

A Rússia poderá recomeçar a fabricar rapidamente mísseis de curto e médio alcance se for necessário e se houver decisão política, declarou esta sexta-feira o general Nikolai Solovtsov, comandante das tropas de mísseis estratégicos russas.
"Se for tomada uma decisão política sobre a criação dessa classe de mísseis, é evidente que, nos tempos mais próximos, eles serão fabricados na Rússia, porque temos tudo o que é necessário para isso", declarou o general numa conferência dedicada ao 15º aniversário da organização União dos Veteranos dos Mísseis.

"Hoje, encontramo-nos no quadro do tratado, por isso (é preciso) respeitá-lo rigorosamente", precisou Solovtsov, acrescentando que "ao falar de mísseis de qualquer classe, deve-se colocar a questão: serão eles precisos para a segurança da Rússia?".

O Tratado soviético-norte-americano sobre liquidação de mísseis de curto e médio alcance foi assinado a 08 de Dezembro de 1987 e entrou em vigor a 01 de Junho de 1988.

Os assinantes do documento comprometiam-se a não produzir, não testar e não instalar mísseis balísticos e de cruzeiro de curto (entre 500 e 1.000 quilómetros) e de médio (entre 1.000 e 5.500 quilómetros) alcance.

Essa classe de mísseis foi completamente liquidada pelos Estados Unidos e pela União Soviética até Junho de 1991: Moscovo destruiu 1.846 complexos de mísseis e Washington 846.

Este Tratado foi o primeiro na história que previa a redução real dos armamentos existentes.

O general Solovtsov declarou também que a Rússia irá tomar medidas caso os Estados Unidos avancem com a instalação do escudo de defesa anti-míssil no Leste da Europa.

"Isso é tido em conta nos planos e programas de desenvolvimento e aperfeiçoamento posterior das tropas de mísseis estratégicos. Penso que as Forças Armadas em geral, as forças nucleares estratégicas e as tropas de mísseis não se limitarão a isso. Vamos acompanhar atentamente os acontecimentos e tomar as medidas adequadas",- frisou.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.