Revista da imprensa de Lisboa


 

Lusa/AO Online   Nacional   1 de Nov de 2010, 06:44

Os diários destacam hoje a vitória de Dilma Rousseff nas presidenciais brasileiras, uma circular do ministério da Educação que pede a professores restituição de verbas pagas e uma sondagem sobre o impacto do Orçamento do Estado nas famílias.

Dilma Rousseff é hoje a personalidade comum aos diários, que destacam a sua vitória nas eleições brasileiras, tornando-se a primeira mulher presidente da República do Brasil.

No entanto, para destaque o Jornal de Notícias (JN) escolheu uma sondagem que afirma que “Portugueses apoiam greve geral, mas não a vão fazer”, acrescentando também que “59 por cento concordam com a paralisação, mas 71 por cento não vão participar”.

O JN adianta que o Orçamento “merece não de 55 por cento [dos inquiridos], embora 54 por cento digam ser importante aprová-lo”, e revela ainda que “92 por cento [dos inquiridos] acham que os sacrifícios não têm sido repartidos de forma equitativa e justa”.

A mesma sondagem no DN dá destaques diferentes: este diário realça que “70 por cento dos portugueses preveem novo aumento de impostos” e que os “Funcionários do Estado são os mais inclinados à greve”.

Em manchete, o Diário de Notícias (DN) revela que o “PS impõe a Teixeira dos Santos um novo corte na despesa”, acrescentando que o líder do PSD “avisa que ‘o pior ainda está para vir’” e que a “Administração Pública mantém salários superiores ao do PR” Cavaco Silva.

“Professores [estão a ser] ameaçados de recuar na carreira e [de] restituir vencimentos”, revela o principal título do Público, que explica que “circulares com regras detalhadas chegaram às escolas sexta feira e intimam diretores a verificar se são responsáveis por ‘situações incorretas’”.

“Os diretores são chamados a promover ‘a restituição das quantias’ que tenham sido pagas aos docentes ao abrigo de uma interpretação da lei diferente da agora divulgada” pela Direcção-geral dos Recursos Humanos da Educação, explica o jornal.

“Máfias inglesas ativas no país”, destaca o Correio da Manhã (CM), realçando que a “PJ investiga vários casos que mostram a preferência de gangs por Algarve e Grande Lisboa”.

O CM revela ainda que no processo “Face oculta”, “Armando Vara e Lopes Barreira [são] suspeitos de branquear milhões”, segundo um “novo inquérito aberto a partir das contradições reveladas pela perícia financeira da investigação”.

Numa entrevista ao i, o líder parlamentar socialista, Francisco Assis, considera que “José Sócrates e Passos Coelho deveriam falar mais vezes”.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.