PS/Açores destaca forma "correta" como governo tratou a região

PS/Açores destaca forma "correta" como governo tratou a região

 

Lusa/AO online   Regional   19 de Out de 2011, 16:45

O PS/Açores destacou hoje a forma “correta” como o governo português tratou a Região na proposta de OE2012, não cortando nas transferências previstas, mas criticou as medidas que pretendem “reduzir o défice à custa do país real”

“Temos de realçar a postura correta na forma como tratou a Região, num período especialmente difícil, não encontrando na crise o argumento de fácil aceitação nacional para cortar nas transferências devidas”, afirmou José do Rego, numa declaração política no plenário da Assembleia Legislativa dos Açores.

Para os socialistas, “o governo de Passos Coelho cumpriu a Lei de Finanças Regionais porque a Região cumpriu as suas metas e as suas obrigações”, acrescentando o deputado regional que o executivo “tratou de forma justa quem não teve a mínima responsabilidade pela situação económica e financeira a que chegou o país nos últimos anos”.

O PS/Açores criticou, no entanto, as medidas de austeridade propostas pelo governo nacional, considerando que vão “atirar o país para uma profunda recessão, com consequências sociais ainda por determinar”.

“O Governo da República tenta reduzir o défice à custa do país real. Opta por aumentar a coluna das receitas à custa dos portugueses, particularmente de uma classe média responsável por grande parte do consumo em Portugal”, afirmou José do Rego, para quem o corte nos subsídios de Natal e de férias “atira portugueses contra portugueses”.

Na sua intervenção, o deputado regional do PS/Açores considerou que o governo “não percebe que precisa dos portugueses” e que “só terá sucesso se os portugueses entenderem as medidas adotadas e considerarem o carácter de justiça das mesmas”.

“Este governo pode até ter o apoio parlamentar necessário, mas, se não tiver o apoio da sociedade, da rua, dos trabalhadores, dos patrões e dos sindicatos, será um governo fragilizado numa altura em que Portugal precisa de um governo forte”, frisou, defendendo que “quem governa contra o povo tem os dias contados”.

No debate que se seguiu, António Marinho, vice-presidente da bancada do PSD na Assembleia Legislativa dos Açores, considerou que as críticas socialistas representam um “descaramento”.

“Chama-se a isto descaramento. Chama-se a isto tentar fazer esconder aquilo que criaram ao longo de 15 anos de governação socialista”, frisou António Marinho, responsabilizando o PS pelo estado em que se encontra o país.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.