Projeto de combate à pobreza duplica famílias apoiadas

Carregando o video...

 

Rui Jorge Cabral   Regional   25 de Out de 2012, 16:06

O Plano de São Lucas, na Paróquia de São José, não tem verbas públicas e vive muito do voluntariado. Num ano já apoia 50 famílias

O Plano de São Lucas é um projeto social de combate à pobreza da Paróquia de São José, que apoia atualmente cerca de 50 famílias, com perto de centena e meia de pessoas, um número que duplicou no último ano, desde o seu surgimento, em outubro de 2011.

O projeto  ganhou esse nome por ter começado no dia de São Lucas, reunindo os vários movimentos sociais que operam na Paróquia de São José, como a Conferência Vicentina, as Religiosas de Maria Imaculada e o Instituto do Bom Pastor, isto para além da própria Junta de Freguesia e de voluntários informais.  

Uma iniciativa que não conta com dinheiros públicos e que, segundo Duarte Melo, pároco de São José, “nasce da boa vontade e do espírito de solidariedade de pessoas que estão atentas e vigilantes a situações de pobreza e miséria que estão instaladas numa zona de Ponta Delgada com muitos problemas sociais, bastante envelhecida, com problemas de habitação e pobrezas envergonhadas”.

Duarte Melo salienta o caráter inovador deste projeto assente na iniciativa privada que, contudo, se integra no espírito de caridade da Igreja, “o amor que faz de nós o dobro do que somos, como diz o escritor Valter Hugo Mãe”, refere.

Por mês, o Plano de São Lucas consegue congregar cerca de 600 euros que são investidos sobretudo em alimentos para distribuir à meia centena de famílias carenciadas que são apoiadas pelo projeto. “Isto significa que temos um fundo solidário. Já tivemos aqui há tempos uma entrega de 20 mil euros de particulares, gente anónima, mas esse dinheiro acaba por esgotar-se”, afirma Duarte Melo.

A estes donativos, juntam-se outras iniciativas como as dos vicentinos que nas últimas semanas têm vendido arroz doce, malassadas e compotas à porta da igreja de São José para angariação de fundos.

E Duarte Melo lança o apelo público para que as pessoas possam entregar alimentos ao Plano de São Lucas, apesar de afirmar que a corrente solidária que se está a gerar na paróquia de São José “não vem por decreto do padre, as pessoas é que se estão a organizar de uma forma natural”.

O resultado são já cerca de 50 voluntários inscritos no Plano de São Lucas, divididos em grupos de trabalho para três tipos de respostas: crianças, idosos em situação de isolamento e famílias carenciadas.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.