Segurança

Programa de Policiamento de Proximidade alargado

Programa de Policiamento de Proximidade alargado

 

Lusa/AO Online   Nacional   26 de Dez de 2008, 10:03

A PSP vai alargar o Programa Integrado de Policiamento de Proximidade (PIPP) a 60 por cento do seu dispositivo territorial até ao final do ano, segundo a Direcção Nacional daquela força policial.
    Criado em 2006, o policiamento de proximidade abrangeu inicialmente as 20 freguesias da 1ª divisão do Comando Metropolitano de Lisboa. Actualmente, já se encontra junto das populações da divisão de Vila Franca de Xira e de Sintra.

    Além da região de Lisboa, o PIPP está também a funcionar junto de duas esquadras do Porto, três dos Açores e em bairros do Funchal, São João da Madeira, Beja, Braga, Bragança, Castelo Branco, Coimbra, Évora, Faro, Guarda, Peniche, Portalegre, Abrantes, Montijo, Viana do Castelo, Vila Real e Viseu.

    Promover uma maior proximidade entre a Polícia de Segurança Pública (PSP) e os cidadãos e reforçar o sentimento de segurança entre a população são os principais objectivos do PIPP.

    Segundo a Direcção Nacional da PSP, os elementos policiais que constituem estas equipas, designados por agentes de proximidade, têm como missão a prevenção e a vigilância em áreas comerciais e residenciais maioritariamente habitadas por idosos, prevenção da violência doméstica, apoio às vítimas de crime e acompanhamento pós-vitimação, além da identificação de problemas que possam interferir na segurança dos cidadãos e detecção de "cifras negras".

    A subcomissária Maria Aurora Dantier, da 1ª divisão do Comando Metropolitano de Lisboa, disse à agência Lusa que o trabalho dos agentes de proximidade "é mais do que o tradicional policiamento", passando também pelo "apoio social e acompanhamento".

    Maria Aurora Dantier sublinhou que os agentes no local detectam e sinalizam os problemas e fazem a ponte com as entidades para que sejam solucionados.

    "Só descansam quando vêem a solução totalmente resolvida", disse, adiantando que o policiamento de proximidade destina-se também ao combate do "furto de rua", como carteiristas, furto a residências e a interior de automóveis.

    Segundo a subcomissária, a criminalidade nas freguesias da primeira divisão diminuiu, não existindo actualmente "queixas de idosos burlados".

    O PIPP é constituído por Equipas de Proximidade e de Apoio à Vítima (EPAV), Equipas do Programa Escola Segura (EPES) e Equipas de Proximidade de Ciclo Patrulhas (EPCP).

    Enquanto as EPES são responsáveis pela segurança e vigilância nas áreas escolares, as EPCP apenas se encontram implementadas em certas zonas e só actuam durante o Verão.

    Segundo a Direcção Nacional da PSP, até ao momento já foram formados 1.272 elementos para estas equipas especiais.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.