No Chade

Procuradoria requer a acusação de 16 europeus e dois chadianos


 

Lusa/AO   Internacional   30 de Out de 2007, 05:18

O procurador de Abéché, no Leste do Chade, anunciou segunda-feira ter requerido a acusação de 16 europeus e dois chadianos por "rapto de menores", "burla" ou "cumplicidade", no inquérito à tentativa de transporte de crianças para França.
"Foram qualificados os actos que dizem respeito aos 16 europeus e aos dois chadianos", declarou o procurador Ahmat Daoyd, contactado pelo telefone.

    "Para os nove franceses (membros da organização não-governamental francesa Arco de Zoe e três jornalistas), trata-se de rapto de menores com a intenção de comprometer o seu estado civil, e de burla", disse.

    Os sete espanhóis da tripulação do avião que devia transportar quinta-feira 103 crianças do Chade para França, assim como dois chadianos, são suspeitos de "cumplicidade" destes mesmos actos, prosseguiu.

    Segundo a Procuradoria de Abéché, os dois chadianos, cujo envolvimento neste caso não fora revelado até aqui, são "uma autoridade administrativa" e um "notável", embora o procurador não tenha precisado a sua identidade.

    Os nove franceses e sete espanhóis foram detidos quinta-feira em Abéché quando Arco de Zoe se preparava para fazer embarcar num avião com destino a França 103 crianças da região situada de um e de outro lado da fronteira chado-sudanesa.

    Segundo uma fonte judicial chadiana, o Conselho Superior da Magistratura decidiu transferi-los para N´Djamena.

    Um piloto belga que encaminhou uma parte das crianças desde a fronteira chado-sudanesa para Abéché foi também detido mas ainda não foi tomada qualquer decisão sobre a sua pessoa.

    A organização não-governamental francesa Arco de Zoe afirmou ter querido "salvar da morte" "órfãos" do Darfur, região do ocidente do Sudão a braços com uma guerra civil.

    As autoridades chadianas denunciaram, logo na quinta-feira um "rapto" de crianças para um "tráfico".

    A França condenou também vivamente esta operação, assegurando que os seus responsáveis "responderão pelos seus actos no Chade" e criou uma `célula de crise" para seguir a situação.

    O presidente francês, Nicolas Sarkozy, qualificou a acção da organização francesa de "ilegal e inaceitável".

    Por seu lado, em Paris, os advogados de Arco de Zoe rejeitaram que os seus clientes tenham querido sequestrar uma centena de crianças africanas e lamentaram a dimensão política que as autoridades do Chade deram ao assunto.

    "Não houve um sequestro, no máximo uma falta de respeito a um formalismo humanitário", disse o advogado, sublinhando que as famílias que esperavam as crianças em Reims não eram pedófilas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.