Acidente aéreo em Madrid

Processo de identificação de vítimas de Madrid pode demorar dias


 

Lusa/AO online   Internacional   26 de Ago de 2008, 11:11

O longo processo de identificação das vítimas do acidente de aviação de quarta-feira passada, em Madrid, poderá demorar ainda vários dias, de acordo com fontes do Governo que referem que apenas foram identificados 103 dos 154 mortos.
    O processo de identificação está a ser realizado pelos laboratórios da Guarda Civil, da Polícia Nacional e do Instituto Nacional de Toxicologia, comparando dados como impressões digitais e amostras de ADN.

    Cada nova identificação é anunciada depois num cartaz colocado no vestíbulo do hotel Auditorium, onde continuam alojados os familiares das vítimas.

    As autoridades admitem que o mau estado de alguns dos corpos e a existência de vários membros das mesmas famílias poderá tornar impossível a identificação formal em alguns dos casos.

    Entretanto, Roberto Alvarez Carretero, 6 anos, recebeu segunda-feira alta da unidade hospitalar Ramon e Cajal, o primeiro dos 18 sobreviventes a sair do hospital.

    O menino viajava no voo da Spanair de Madrid para as Canárias com a sua irmã, de 16 anos, que morreu no acidente.

    Outros dois feridos, um homem de 47 anos e outro de 68, saíram já dos cuidados intensivos no hospital La Paz.

    Continua em estado “muito grave” uma mulher de 44 anos - que entrou no que os médicos definem como “comao irreversível” - e um homem de 57 anos que foi sujeito a várias operações durante o fim-de-semana.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.