Prémio mostra que ameaça química continua a existir


 

Lusa/AO online   Internacional   11 de Out de 2013, 15:32

O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, sublinhou hoje que a atribuição do Nobel da Paz à Organização para a Proibição das Armas Químicas mostra o nível de ameaça que estas armas proibidas continuam a representar no mundo.

“Este reconhecimento ocorre quase 100 anos depois do primeiro ataque químico e 50 dias depois da terrível utilização de armas químicas na Síria. Longe de serem um vestígio do passado, as armas químicas continuam a ser um perigo claro e atual”, disse Ban num comunicado.

A OPCW (sigla em inglês) e as Nações Unidas “nasceram de uma aversão fundamental às atrocidades da guerra”, prosseguiu, acrescentando que, dos campos de batalha aos laboratórios ou à mesa das negociações, a ONU tem a honra de trabalhar de perto com a OPCW para eliminar a ameaça que as armas químicas representam”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.