Açoriano Oriental
Covid-19
PR suspende agenda e fica duas semanas em isolamento em casa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, suspendeu a agenda por duas semanas e vai permanecer em casa sob monitorização, "apesar de não apresentar nenhum sintoma" de infeção por Covid-19, anunciou este domingo a Presidência da República.

article.title

Foto: ANTÓNIO COTRIM / LUSA
Autor: AO Online/ Lusa

A decisão foi tomada depois de Marcelo Rebelo de Sousa ter estado na terça-feira, no Palácio de Belém, com uma turma de uma escola de Felgueiras (Porto), que foi encerrada "na noite passada" devido ao internamento de um aluno, adianta a Presidência, numa nota publicada no 'site' oficial.

"Atendendo ao que se sabe hoje e não se sabia na terça-feira passada, tendo ouvido as autoridades de saúde, o Presidente da República, apesar de não apresentar qualquer sintoma virótico, decidiu cancelar toda a sua atividade pública, que compreendia várias presenças com número elevado de portugueses, assim como a própria ida a Belém, durante as próximas duas semanas. O mesmo fará com deslocações previstas ao estrangeiro", lê-se na nota de Belém.

Durante esse período, Marcelo Rebelo de Sousa "será monitorizado em casa".

Segundo a nota da Presidência, "nem o aluno ora internado, nem a sua turma estiveram em Belém".

Na terça-feira, uma turma dessa escola de Felgueiras tinha estado em Belém, no âmbito da iniciativa “Artistas no Palácio de Belém”, "numa sessão a que assistiu o Presidente da República, tendo, no final, tirado fotografias com os alunos e professores, sem, no entanto, os ter cumprimentado um a um".

A Presidência da República diz ainda que estão já em curso contactos "com todos os que estiveram presentes na sessão de terça-feira", tendo sido suspensa a iniciativa “Artistas no Palácio de Belém”, que deveria durar até ao fim do ano letivo.

"No momento em que todos os portugueses demonstram elevada maturidade cívica perante o surto virótico, entende o Presidente da República que deve dar exemplo reforçado de prevenção, sem embargo de continuar a trabalhar na sua residência particular", lê-se ainda na nota da Presidência.

Ao início da tarde de hoje, estava previsto, em agenda não oficial, que o Presidente da República participasse na procissão do Senhor dos Passos, em Lisboa, mas o chefe de Estado acabou por não comparecer.

A agenda oficial para segunda-feira previa uma visita do Presidente da República à Unidade Especial de Polícia (UEP) da Polícia de Segurança Pública, na Amadora, distrito de Lisboa.

No sábado, o Presidente da República tinha referido que decidiu reduzir “uma parte da agenda” a nível nacional por causa do surto de Covid-19, para evitar ajuntamentos de pessoas em recintos fechados, mas estimou manter as viagens previstas.

“Sim, sim, tenho feito alterações. Reduzi uma parte da agenda para não criar problemas em concentrações em recintos fechados”, disse Marcelo Rebelo de Sousa aos jornalistas.

Quanto às viagens internacionais, entre as quais uma a Espanha no final do mês para participar no encontro da COTEC Europa, em Málaga, o chefe de Estado disse que estaria “dependente de outros Estados”, que tinham manifestado intenção de manter os programas previstos.

Em Portugal, estão confirmados 21 casos de infeção e o Governo anunciou a suspensão temporária de visitas em hospitais, lares e estabelecimentos prisionais na região Norte.

Foram também encerrados temporariamente alguns estabelecimentos de ensino secundário e universitário.

A ministra da Saúde, Marta Temido, admitiu que o risco da epidemia em Portugal poderá ser reavaliado nas próximas horas, e levar à adoção de novas medidas excecionais.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.