Polícia mata homem que ia incendiar centro de imigrantes no estado de Washington

Polícia mata homem que ia incendiar centro de imigrantes no estado de Washington

 

AO Online/ Lusa   Internacional   14 de Jul de 2019, 01:30

Um homem armado que lançou bombas incendiárias no sábado contra um centro de detenção de imigrantes em Tacoma, no estado de Washington, morreu ao ser baleado pela polícia, informaram as autoridades.

A polícia adiantou que o homem incendiou um veículo e tencionava fazer explodir um tanque de gás propano para pegar fogo às instalações.

Os quatro polícias envolvidos no incidente, que tinham respondido a uma chamada e encontraram o suspeito armado na periferia do centro, foram suspensos enquanto dura a investigação da Polícia de Tacoma. Sabe-se que os agentes atiraram e mataram o homem, mas não se sabe se ele os atacou antes.

A Agência de Controlo Alfandegário e de Fronteiras dos Estados Unidos (ICE) informou que nenhum funcionário do centro, com capacidade para 1.575 camas, "foi ferido ou envolvido neste trágico incidente".

Um protesto que estava marcado para hoje em frente ao centro de detenção vai ser realizado num local diferente, porque a área do ataque está a ser investigada.

Os Estados Unidos têm sido palco de vários protestos contra centros de detenção geridos por empresas privadas como a GEO e contra as autoridades de imigração, que anunciaram que hoje, domingo, iniciarão operações em massa em diferentes cidades contra imigrantes que não cumpriram as ordens de deportação.

A empresa do Grupo GEO, que administra o centro de imigrantes de Tacoma, culpou a "imagem distorcida" dos centros pelo incidente.

"Ao contrários das imagens transmitidas nos noticiários sobre outros centros, as nossas instalações nunca estiveram sobrelotadas e nunca abrigaram menores desacompanhados", disse ele.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.