Educação

Plataforma para a avaliação prevê "modelo simples"

Plataforma para a avaliação prevê "modelo simples"

 

Lusa/AOonline   Nacional   25 de Nov de 2008, 10:07

O porta-voz da plataforma sindical dos professores, Mário Nogueira, afirmou que a "solução avaliativa transitória" que vai apresentar sexta-feira à ministra da Educação prevê "um modelo simples, com procedimentos que não exijam reuniões".
Questionado pela Lusa à entrada de uma reunião com o CDS-PP, Mário Nogueira não quis adiantar pormenores sobre a "solução avaliativa transitória" para os próximos seis meses, justificando que a proposta terá de ser primeiro apresentada ao Ministério.

    Limitou-se a dizer que será "centrada nos professores, na sua actividade com os alunos" e que irá envolver o conselho pedagógico das escolas.

    Reforçou que esta solução transitória parte do princípio da suspensão do modelo de avaliação dos docentes proposto pelo Governo, mas defendeu que o objectivo é que "não se caia no vazio".

    O que vai ser apresentado não é um modelo de avaliação, mas uma solução transitória até ao final do ano lectivo, recordou.

    Mário nogueira lembrou que pelo menos "310 escolas" já suspenderam formalmente o modelo de avaliação, mas mostrou-se confiante de que "há muitas mais".

    "Toda a gente sabe que mesmo nas escolas onde não foi decretada a suspensão, está tudo parado. São uma excepção as escolas onde o modelo está a avançar", afirmou.

    O representante dos professores adiantou ainda que, apesar de estarem previstas reuniões individuais de cada sindicato com a ministra da Educação na sexta-feira, aquelas estruturas reúnem-se quinta-feira para preparar o encontro do dia seguinte.

    A plataforma sindical dos professores foi hoje recebida pelo CDS-PP, no âmbito de um pedido de audiências às várias direcções partidárias para apresentar as suas preocupações face à situação que actualmente se vive na Educação e, em particular, a aplicação do modelo de avaliação do desempenho dos professores.

    Na quinta-feira, após um conselho de ministros extraordinário, Maria de Lurdes Rodrigues anunciou medidas de simplificação do modelo de avaliação de desempenho, destinadas a resolver "problemas" relacionados com o excesso de burocracia e a sobrecarga de trabalho dos docentes.

    Tutela e sindicatos começam sexta-feira o processo negocial relativo a estas alterações.

    Os resultados escolares dos alunos deixarão de constituir um parâmetro da avaliação, tendo a ministra defendido "mais tempo" para que este critério possa ser utilizado com segurança, uma vez que "revelou dificuldades técnicas e de aplicação".

    Entre as medidas anunciadas está ainda a redução das aulas assistidas de três para duas, que, ainda assim, só se realizarão por solicitação dos docentes, apesar de serem imprescindíveis para a obtenção das classificações máximas.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.