PJ diz que houve libertação de gás deliberada em casa de Sónia Brazão


 

Lusa/AO online   Nacional   22 de Set de 2011, 18:24

A Polícia Judiciária concluiu que houve uma libertação de gás intencional, através da abertura dos bicos do fogão, no caso da explosão da casa da actriz Sónia Brazão, em Algés, disse fonte policial.
A mesma fonte explicou que o relatório da PJ, que já chegou ao Ministério Público de Oeiras, aponta no sentido de a actriz ter “intencionalmente aberto os bicos do fogão” provocando uma libertação excessiva de gás, mas sem intenção de provocar uma explosão no apartamento.

A investigação das autoridades concluiu que não era intenção da actriz, que sofreu queimaduras de 2º e 3º graus no corpo e esteve internada com prognóstico muito reservado, fazer explodir o seu apartamento, situado em Algés, Oeiras.

Segundo a mesma fonte, há indícios de que tenha sido praticado o crime de incêndio, explosões e outras condutas especialmente perigosas previsto e punido pelo artigo 272 do Código Penal, cuja moldura penal pode atingir os oito anos quando praticado com negligência.

A explosão, ocorrida no quarto andar do número 73 da Avenida da República, em Algés, concelho de Oeiras, ao fim da tarde de sexta-feira, causou, pelo menos, dois feridos e significativa destruição material no edifício, nos prédios vizinhos e fronteiriços e em viaturas que se encontravam na rua.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.