PCP quer saber se Governo foi informado sobre os voos da CIA


 

Lusa/AO Online   Internacional   4 de Dez de 2008, 15:38

O PCP pediu hoje esclarecimentos ao Governo para saber se foi informado, em 2002, como aconteceu com Espanha, sobre a utilização do espaço aéreo português para transporte de prisioneiros para Guantánamo.

  “Duvidamos que o Governo português não tenha sido informado nos mesmos termos em que o foi o governo espanhol”, afirmou o deputado comunista Jorge Machado, autor da pergunta escrita dirigida ao Ministério dos Negócios Estrangeiros.

    O jornal espanhol El País divulgou esta semana documentos secretos que demonstram que em 2002 as autoridades norte-americanas pediram autorização ao governo espanhol, na altura liderado por José Maria Aznar, para realizar escalas em aeroportos espanhóis com prisioneiros talibã e da Al-Qaeda a caminho de Guantánamo.

    O diário espanhol aponta que Portugal terá sido outros dos países avisados da utilização do seu território para escalas dos voos da CIA.

    Jorge Machado lembra que Portugal “figura na rota dos voos da CIA” e que a revelação dos documentos pelo El País, cuja cópia anexou à pergunta escrita, torna “claro que é preciso o total e cabal esclarecimento” deste caso.

    Na pergunta, o deputado do PCP quer saber se no ano de 2002 e seguintes o Governo foi informado da intenção dos Estados Unidos utilizarem o espaço aéreo e bases portuguesas, se existiu algum contacto da embaixada norte-americana em Lisboa, que tipo de informações foram dadas.

    Em declarações aos jornalistas, o parlamentar comunista adverte ainda que os documentos revelados pelo El País demonstram que a “existência de a rede de sequestro e transporte de prisioneiros só foi possível com a conivência e cumplicidade de vários governo europeus”.

    Na terça-feira, em Bruxelas, o ministro dos Negócios Estrangeiros, Luís Amado, negou a existência de quaisquer documentos em Portugal que comprometam o actual ou anteriores governos no caso dos voos da CIA de transporte ilegal de prisioneiros.

    O caso dos "voos da CIA" teve início em Novembro de 2005, quando o jornal norte-americano Washington Post revelou a existência de prisões secretas da CIA em vários pontos do Mundo, incluindo em países do Leste europeu.

    Rapidamente, o assunto em foco passou a ser não tanto as prisões secretas (cuja existência viria a ser admitida mais tarde pelo próprio presidente norte-americano George W.Bush, embora desconhecendo-se as suas localizações), mas antes o transporte ilegal de prisioneiros suspeitos de terrorismo e os chamados "voos da CIA".

    Segundo a comissão do Parlamento Europeu, esses voos foram uma prática corrente na Europa desde os atentados de 11 de Setembro de 2001, nos Estados Unidos.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.