Parlamento contra "voragem" de fecho de serviços pelo Governo da República

Parlamento contra "voragem" de fecho de serviços pelo Governo da República

 

Lusa/AO online   Regional   17 de Out de 2013, 12:42

O parlamento dos Açores aprovou por unanimidade um voto de protesto do PSD regional contra a "voragem de encerramento de serviços do Estado" no país do executivo de Passos Coelho e que pouco contribui para poupar na despesa.

O voto de protesto, apresentado no plenário da Assembleia Legislativa da Região Autónoma dos Açores pelo deputado Costa Pereira, refere que está previsto o encerramento de 13 dos 19 serviços de Finanças no arquipélago, "uma inaceitável diminuição do nível de serviços prestados pelo Estado aos açorianos" e que "ignora as particularidades e especificidades da região e mesmo dentro de cada uma das ilhas".

"A voragem de encerramento de serviços do Estado que atinge o país é uma solução que visa poupar, apenas, alguns recursos públicos que pouco contribuem para a contenção da despesa do Estado", disse o deputado do PSD, considerando tratar-se de "uma opção política errada".

O texto aprovado será enviado ao Governo da República, da coligação PSD/CDS.

Apesar de todos os deputados no parlamento açoriano terem votado favoravelmente o texto, gerou-se um debate aceso no plenário.

Isto porque depois de o PS ter manifestado apoio ao voto de protesto, o PSD sublinhou que este é o mesmo texto que apresentou em 2008, quando José Sócrates era primeiro-ministro e existia também uma ameaça de fecho de Finanças nos Açores. Porém, na ocasião, os socialistas votaram contra, chumbando a iniciativa.

Costa Pereira acusou os socialistas de mudarem de posição "conforme quem está na República" e sublinhou que já o PSD não tem posições "determinadas" por quem está a governar o país.

O líder parlamentar do PS, Berto Messias, pediu para fazer uma interpelação à Mesa para ser distribuído o diário das sessões desse debate de 2008, aproveitando para referir que há uma "enorme diferença": há cinco anos não encerrou qualquer serviço, ao contrário do que, afirmou, acontecerá agora.

No debate acabaram ainda por surgir críticas à presidente do parlamento dos Açores por parte do CDS e do PPM, que consideraram que Ana Luís permitiu a deputados do PS várias "intervenções políticas" quando já não tinham direito de o fazer ao abrigo do regimento da assembleia.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.