Açoriano Oriental
Parceria incentiva lusodescendentes a ingressarem na marinha canadiana

Uma associação de ex-combatentes da guerra colonial no Canadá estabeleceu uma parceria com a marinha canadiana para "incentivar os lusodescendentes naquela força e a beneficiarem das vantagens", disse este domingo à Lusa fonte da instituição.

article.title

Foto: SXC
Autor: AO Online/ Lusa

"Nós somos um povo do mar, descobridores do mundo, porque não dar a continuidade da nossa história aos nossos jovens", afirmou o presidente da Associação do Ontário dos Ex-Combatentes do Ultramar-Núcleo de Toronto, Armando Branco, de 74 anos.

O dirigente justificou acreditar que devido à falta de informação não se "desperte nos jovens o interesse pelo serviço militar, pela marinha, ou até pelo exército ou pela força aérea".

A associação apresentou o projeto de parceria numa conferência de imprensa, no sábado, na sede em Toronto, com a presença de elementos lusodescendentes da marinha canadiana, incluindo o comandante na reserva da base naval HMCS NCSM York Walter Moniz.

"Esta é uma oportunidade para servirem o Canadá e representar as suas famílias e a comunidade portuguesa. Vão aprender aquelas habilidades, não só para o serviço militar, mas para o futuro, quando deixaram a marinha, nos seus trabalhos enquanto civis. Nunca se arrependerão dessas experiências, e dessas oportunidades", justificou Walter Moniz.

O oficial na reserva da marinha de guerra canadiana destacou os benefícios e ferramentas que os jovens lusodescendentes terão ao ingressarem na marinha, pois além de oportunidades de emprego, terão ainda "ajuda financeira para prosseguirem os estudos".

"Quando tiverem mais de dez anos, o departamento dos veteranos poderá ajudá-los financeiramente. Quando for dispensado terei acesso a quase 80 mil dólares canadianos (54,8 mil euros) para a educação. Há grande oportunidades para prosseguir os estudos através da marinha", explicou.

Filho de emigrantes dos Açores, Walter Moniz mostrou-se ainda "muito orgulhoso das suas origens portugueses" e lembrou um "momento marcante da sua carreira" quando serviu num exercício da NATO em 2000.

"Já tive a oportunidade de servir junto do NRP Vasco da Gama em 2000, num exercício da NATO, com o HMCS Halifax. Foi um momento muito emocionante ao trabalhar com marinheiros e oficiais da marinha portuguesa. Estou muito orgulhoso da nossa história e quero continuar a prestigiar os nossos antepassados no Canadá", concluiu.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.