Papa acende círio pela paz na Síria e pelo fim dos conflitos no mundo

Papa acende círio pela paz na Síria e pelo fim dos conflitos no mundo

 

Lusa/Ao online   Internacional   2 de Dez de 2018, 20:46

O papa Francisco acendeu este domingo um círio pela paz na Síria e pelo fim das tensões e conflitos em todo o mundo, associando-se a uma campanha que visa recolher fundos para ajudar aquele país.

Francisco acendeu a vela perante os fiéis que o escutavam na praça de São Pedro, na Cidade do Vaticano, depois da oração do “Angelus” e de ter feito um apelo à paz, tendo pedido perdão a Deus por "aqueles que fazem a guerra e constroem armas concebidas para destruir”.

Ao acender o círio pela paz, o papa deu início à campanha de Natal da fundação pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre (AIS), que nos últimos dias abrigou mais de 50.000 crianças em muitas cidades sírias, como Alepo, Homs ou Damasco.

"Que esta luz de esperança dissipe a escuridão da guerra! Vamos orar e ajudar os cristãos a permanecer na Síria e no Médio Oriente, como testemunhos da misericórdia, perdão e reconciliação", declarou o papa.

"Que a chama da esperança chegue a todos os que nestes dias sofrem conflitos e tensões em diferentes partes do mundo", acrescentou o pontífice da Igreja Católica.

A AIS participa nesta iniciativa com uma campanha internacional de angariação de fundos, através dos seus 23 núcleos nacionais, para financiar um plano de ajuda de emergência, reconstrução e assistência pastoral de cerca de 15 milhões de euros. Um valor que será somado aos mais de 29 milhões de euros doados pela AIS desde o início do conflito na Síria, em 2011, noticiou a agência de notícias Efe.

O projeto visa distribuir alimentos, remédios e leite em pó para as crianças na Síria, ajudar a pagar os alugueres e o combustível para aquecimento, a reconstrução de casas de famílias de refugiados e templos cristãos, bem como apoiar os sacerdotes e religiosos.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.