Outono Vivo arranca esta sexta feira com 17 dias dedicados à cultura

Carregando o video...

 

Tatiana Ourique / AO Online   Cultura e Social   25 de Out de 2019, 14:22

Trata-se da 14ª edição de um festival cultural que já é cartaz turístico para a Praia da Vitória. O “maior festival de época baixa” leva à cidade de Nemésio dezenas de escritores, atores, músicos e artistas plásticos. A programação é vasta e oferece todos os dias diversos eventos entre a Academia da Juventude e das Artes da Ilha Terceira e o Auditório do Ramo Grande.


O Outono Vivo começou como feira do livro e hoje é “já conhecido a nível nacional”, o que tem facilitado a composição do cartaz com nomes nacionais, adiantou Carlos Armando Costa, vereador da cultura na Praia da Vitória.

Este ano assinala-se o centenário no nascimento de Sophia de Mello Breyner e a Praia da Vitória dedica-lhe esta edição.

O XIV Outono Vivo arranca esta sexta feira, 25 de outubro, com a inauguração das exposições de Ana Maria Ferraz da Rosa (pintura), Tânia Gaspar (aguarela) e João Telmo (fotografia). O pano do Auditório do Ramo Grande abre-se pela primeira vez no Outono Vivo para receber o espetáculo “Músicas deste Século” do coro feminino praiense Pactis.

A partir desta sexta feira- e até 10 de novembro- poderá visitar as exposições e a feira do livro todos os dias a partir das 10h00.

O dia 26 de outubro inclui a apresentação do grupo PEN (poetas, ensaístas e romancistas), uma mesa redonda subordinada ao tema “Literatura e Sociedade” com Vamberto Freitas, Luís Filipe Sarmento, Ernesto Rodrigues, Teolinda Gerson e Álamo Oliveira. Henrique Levy vai também apresentar o livro “Maria Bettencourt – Uma Mulher Singular”. Maria João Fialho Gouveia apresenta a obra “Dona Filipa e D. João I – Unidos pelo Amor e pelo Reino”. Júlio Isidro apresenta “O Programa segue dentro de Momentos” e segue-se uma sessão de “Conversas às 8” sobre Medicar na Infância que inclui também o lançamento do livro “Zuim” de Flávia Medeiros.

A 27 de outubro a programação começa com a exibição do filme “O Garoto” de Charles Chaplin. O Instituto Açoriano de Cultura lança a “Revista Atlântida – 2019”, a apresentadora Fátima Lopes apresenta, pelas 16h00, o livro “Fátima, o Meu Caminho a Minha Fé” e a jornalista e escritora brasileira Luciene Balbino apresenta o seu “De Eva a Madalena”. O domingo termina com o lançamento do primeiro livro de Diogo Ourique, o jovem escritor terceirense convidou Nuno Costa Santos para apresentar a obra “Tirem-me deste Livro”.

Na segunda feira estão agendadas as apresentações de “O Avesso do Arquipélago”, de Beatriz Amaral e a tertúlia com o tema da exposição fotográfica patente no certame “Ginoceu Androceu”, de João Telmo que convida a atriz Soraia Chaves para a conversa. Pelas 21h30 a “filha de coração” da Terceira, Lúcia Moniz, contracena com o ator Pedro Lamares na peça “Para Atravessar contigo o Deserto do Mundo”, no auditório municipal.

Terça feira, 29 de outubro, José Santos vai ministrar um workshop sobre “Orquídeas”, Carlos Ávila de Borba apresenta o livro “Felicidade à Espera” com leituras do ator Ricardo Carriço e Cláudia Cardoso e acordes do músico Cristóvam. No ciclo “O Filme da Minha vida” a atriz Soraia Chaves escolheu e comentou “O Apartamento” de Billy Wilder, que será exibido pelas 21h00.

A quarta feira, 30 de outubro, começa com teatro para os petizes, com a peça “A Bonequinha Tagarela” com Fernando Terra e Letícia Terra. Álamo Oliveira apresenta a obra “Fui Ao Mar Buscar Laranjas” de Pedro da Silveira.

Também a noite das bruxas é dedicado à cultura. A 31 de outubro Marine Antunes apresenta o seu livro “Teorias de uma NOT Atinadinha” e Teresa Vieira apresenta a obra “Aurora”. O serão da noite de terror termina com cinema alusivo à temática do dia: o filme “IT”.

O feriado de “Todos os Santos” arranca com a apresentação do livro “O Rapto” de Dimas Simas Lopes e da obra “As Aventuras do Lóló” de Beatriz Garcia. A “Autobiografia” de José Luís Peixoto também terá lugar de destaque no festival cultural na Praia da Vitória e Miguel de Sousa Tavares e Joel Neto compõem um painel de “Conversa com os Escritores” aquando da apresentação da obra do filho de Sophia de Melo Breyner intitulada “Cebola Crua com Sal e Broa – Da Infância para o Mundo”. A programação do feriado termina com o concerto musical “Suite para Flauta e Trio de Jazz” com Rodrigo Lima, Antonella Barletta, Paulo Cunha e Luís Costa.

            No sábado, 2 de outubro, são apresentadas 3 obras: “O Livro dos Fazeres”, de Mariana Barbosa, “Jovem e Saudável em 21 Dias”, de Alexandra Vasconcelos e “Da Ciência ao Amor”, de Luís Portela. “Literatura: Profissional ou Não?” é o tema da mesa redonda que inclui nomes como Joel Neto, Ana Cristina Leonardo, David Machado, Jaime Oliveira Martins, Paulo Moura e Gonçalo Tavares”. O dia termina com um espetáculo musical de “Trovas de Francisco de Lacerda” com Cláudia Pinto (soprano) e João Lucena e Vale (pianista).

            De volta ao “Ciclo de Cinema Charles Chaplin” o domingo, 3 de novembro, arranca com a exibição do filme “Tempos Modernos”. Pelas 18h00 os escritores Joel Neto, Ana Cristina Leonardo, David Machado, Jaime Oliveira Martins e Paulo Moura encontram-se para uma sessão de autógrafos. A apresentadora Luísa Castel-Branco apresenta o livro “Nos Teus Olhos Vejo o Mundo – A Vida tal como ela é” e o fim de semana encerra com o espetáculo de dança “Ilusion Tango” da companhia Ritmo Azul.

            A 4 de novembro os livros apresentados são “A Vida Acrescentada”, de Nuno Santos, e “Com Navalhas e Navios” de Urbano Bettencourt. O serão musical homenageia Sophia de Mello Breyner Andresen com o concerto “A Menina do Mar” que junta as leituras de Judite Parreira e a Orquestra do Conservatório de Angra do Heroísmo à batuta de Martim Sousa Tavares, neto da escritora que nasceu há 100 anos na cidade do Porto.

            Na terça feira, 5 de novembro, o apresentador Mário Augusto apresenta o livro “Janela Indiscreta – O que dizem as Estrelas” e a sessão do “Filme da Minha Vida” é também da sua autoria com o filme “O Padrinho” de Francis Ford Coppola.

            Luís Osório é o protagonista da quarta feira, 6 de novembro, com a apresentação da obra “30 portugueses, 1 país” e o momento musical é da autoria do cantautor António Bulcão que, juntamente com os acordes ao piano de Mário Laginha, dão vida ao espetáculo “60 anos de Vida, 45 de Canções”.

Dia 7 de novembro são apresentadas duas obras: “Açores – Um Roteiro Interior” de Madalena San-Bento e “Costura Comigo” de Cláudia Andrade. Também este dia termina com música pelo “Orfeão da Praia da Vitória” pelas 21h30.

Sexta feira, 8 de novembro, o Outono Vivo oferece também a apresentação de três obras: “Estatutos Jurídicos dos Trabalhadores em Funções Públicas”, do líder sindical Francisco Pimentel (SINTAP) e “Raízes de Vida – Valores, atitudes e memórias que nos Sustentam. Respostas da Natureza às Inquietações do homem” de António Bagão Félix e finalmente “D.Maria II – A Menina Rainha” de Isabel Stilwell.

O último fim de semana do Outono Vivo tem uma programação ainda mais intensiva: Workshop de costura, por Cláudia Andrade, e as apresentações das obras “Ética Aplicada”, de Maria do Céu Patrão Neves, “Voluntariado Internacional, da Associação Meninos do Mundo, “Petiscos do Rio e do Mar” da blogger Isabel Zibaia Rafael, e “100 Imagens, algumas histórias” de Elisabete Jacinto. Neste sábado à noite a edição da tertúlia Conversas às 8 tem como tema “A Influência dos Reality Shows na Educação das Crianças” com a participação de Tatiana Ourique, Vasco Pernes e José Eduardo Moniz. O último sábado do certame termina com um dos pontos altos desta edição do Outono Vivo. Sara Freitas, a atriz terceirense que vive no Rio de Janeiro, volta a casa e traz pela mão a atriz Danielle Winits com quem vai partilhar palco numa peça intitulada “Depois do Amor – Um Encontro com Marilyn Monroe” com direção de Marília Pêra e texto de Fernando Duarte.

10 de novembro, domingo e último dia do XIV Outono Vivo, tem cinema com mais um filme de Charles Chaplin “O Grande Ditador”, as apresentações dos livros “Guerra Civil Portuguesa (1828-1834): a Batalha de 11 de Agosto de 1829 na Imprensa Internacional e a Telegrafia Ótica na Ilha Terceira” de Víctor Alves, “O Mundo Precisa de Saber” de Gustavo Carona”, “O Beco da Liberdade” de Laborinho Lúcio e “És meu- Disse ela” de António Manuel Ribeiro. E porque Praia da Vitória rima com Luís Gil Bettencourt, o músico terceirense guardou o lançamento do já anunciado CD “Natália”, sobre Natália Correia, para a semana maior da cultura no município praiense.

A feira do livro, com cerca de 50 mil exemplares, continua a ser, ainda assim, o principal atrativo do Outono Vivo, e há mesmo quem espere o ano todo para comprar livros nestes dias.


Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.