Açoriano Oriental
Noventa terrenos ocupados por hortas comunitárias nos Açores
O Governo dos Açores já cedeu 90 talhões de terreno para criação de hortas comunitárias, todos na ilha de S. Miguel, uma resposta às necessidades das famílias em tempos de crise e que desenvolve o espírito de comunidade.
Noventa terrenos ocupados por hortas comunitárias nos Açores

Autor: Lusa / AO online

 

A secretária regional da Solidariedade Social, Piedade Lalanda, explicou que "as 90 parcelas de terreno" pertencem à região, mas "foram cedidas, a titulo gratuito", para que as pessoas as possam cultivar com produtos hortícolas, contando a iniciativa com o envolvimento dos moradores dos loteamentos onde elas são criadas, das casas do povo e das juntas de freguesia.

Atualmente existem hortas comunitárias na Maia e em São Pedro, concelho da Ribeira Grande, e mais recentemente foi celebrado um protocolo com a junta de freguesia dos Ginetes para a cedência de um terreno, mas a intenção do executivo é estender este projeto a outras localidades e ilhas.

"Há mais terrenos que esperamos pôr ao serviço noutras freguesias e noutras comunidades e que poderão ser utilizados havendo parceiros que podem ser associações de jovens, casas de povo ou juntas de freguesias", sublinhou a secretária regional, indicando que "em breve" vai ser assinado um protocolo para criar uma horta comunitária nos Arrifes, na zona dos Milagres, em São Miguel.

No caso dos Ginetes, a horta está instalada "num terreno que estava destinado a urbanização", enquanto que na Maia "são parcelas sobrantes de um loteamento" e os seus utilizadores são sobretudo os residentes, segundo a governante, indicando que "na maioria dos casos são as pessoas que utilizam esta parcela" que lhes é cedida, em protocolo com instituição parceira, como se fosse a sua própria horta doméstica.

“Eles é que escolhem os plantios e têm que cuidar deste espaço”, frisou Piedade Lalanda, destacando a mais valia do projeto, já que a produção hortícola pode contribuir para a redução de despesas, mas reintroduz também na vida das freguesias um espaço de comunidade, redescobrindo a relação com a terra e com o espaço agricola.

Mas as hortas comunitárias têm permitido desenvolver também, em São Miguel, outro tipo de competências, nomeadamente a ocupação de beneficiários do Rendimento Social de Inserção (RSI), que será feito no caso dos Arrifes.

"Haverá a oportunidade de desenvolver o programa Fios em parceria com o Emprego que inclui ocupação de pessoas beneficiaras do RSI que poderão assim adquirir competências na área do trabalho agrícola e adquirirem posteriormente a sua própria parcela de terreno e contirbuírem para o rendimento familiar", acrescentou.

Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.