Montenegro acusa Rio de ter tido “medo” de convocar diretas

Montenegro acusa Rio de ter tido “medo” de convocar diretas

 

Lusa/AO Online   Nacional   14 de Jan de 2019, 16:03

O antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro acusou, esta segunda-feira, o presidente Rui Rio de ter tido “medo” de convocar diretas no partido, mas mantém a sua disponibilidade de ser candidato, se algum órgão as convocar.

“Lamento que o doutor Rui Rio não tenha tido coragem de marcar diretas no PSD. Lamento que o doutor Rui Rio tenha tido medo de ouvir a voz dos militantes”, criticou Montenegro, no final de uma audiência de cerca de 35 minutos com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa.

Questionado sobre o Conselho Nacional extraordinário, marcado para quinta-feira, que irá votar a moção de confiança à direção apresentada por Rui Rio, Luís Montenegro fez questão de dizer que essa reunião não “é a sua praia” nesta discussão, uma vez que se propôs a ir a votos em diretas.

“Se algum órgão vier a decidir a realização de eleições diretas no PSD, eu sou candidato, obviamente”, assegurou.

Luís Montenegro revelou que tinha pedido esta audiência a Marcelo Rebelo de Sousa ainda antes da declaração que fez na sexta-feira - na qual anunciou a disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rio a convocar diretas -, mas que hoje foi possível realizar o encontro no qual trocaram “impressões sobre o maior partido português”, que o atual chefe de Estado já liderou.

Para o antigo líder parlamentar do PSD, “uma verdadeira clarificação” no partido só teria “efeito pleno com a pronúncia de todos os militantes”.

“Digo mesmo, que conhecendo as bases do PSD, os militantes do PSD gostariam de ter tido a oportunidade de se pronunciarem sobre a estratégia e liderança política nesta altura”, afirmou.

Questionado se poderá apresentar – através dos seus apoiantes - ao Conselho Nacional algum pedido imediato de marcação de diretas, Montenegro fez questão de, por várias vezes, se distanciar da opção por recorrer a esse órgão para a clarificação no PSD.

“Nunca esteve nos meus propósitos nem moções de censura nem moções de confiança. A opção de ouvir o Conselho Nacional é única e exclusivamente do doutor Rui Rio, a minha sempre foi ouvir os militantes”, referiu.

Montenegro respondeu ainda aos que criticam o ‘timing’ do seu avanço, a meses de eleições, salientando, em primeiro lugar, que a estratégia de Rui Rio já completou um ano.

“Tem um resultado, que na minha opinião e de muitos militantes do PSD é um resultado mau”, criticou.

Por outro lado, acrescentou, fazer a clarificação agora permitiria “fazê-lo em tempo de o PSD poder inverter a situação e apresentar-se a eleições reforçadas”.

Aos que relacionam a sua disponibilidade, agora, com a necessidade de assegurar lugares nas listas de deputados aos seus apoiantes, Montenegro respondeu que “é um absurdo”, salientando que ele próprio deixou o seu lugar na Assembleia da República em abril do ano passado.

“Se fôssemos por esse caminho, que não é o meu, haverá seguramente alguns apoiantes do meu lado que possam ter essa preocupação e há muitos mais do lado do doutor Rui Rio que também têm como preocupação preencher esses lugares”, referiu.

Para o antigo deputado, a responsabilidade de um eventual desaire eleitoral no PSD nos próximos atos eleitorais “só pode ser assacada a quem conduz a estratégia do partido” e considerou que a sua atitude pode até ter um efeito positivo.

“O doutor Rui Rio teve medo, não teve coragem e não marcou eleições diretas, mas sei uma coisa: a partir deste momento vamos ver um seguramente PSD mais ativo e mais focado em fazer aquilo que o país precisa – ser uma alternativa ao PS e ao Governo”, considerou.

A reunião do Conselho Nacional extraordinário do PSD para submeter à votação a moção de confiança do presidente Rui Rio realiza-se na quinta-feira, no Porto, às 17.00, disse hoje à Lusa o presidente deste órgão, Paulo Mota Pinto.

O Conselho Nacional extraordinário do PSD reúne-se num hotel do Porto tendo como único ponto na ordem de trabalhos a apreciação e votação, nos termos do artigo 68.º dos estatutos, de moção de confiança à comissão política nacional do PSD.

O artigo 68.º dos estatutos do PSD determina que “as moções de confiança são apresentadas pelas Comissões Políticas e a sua rejeição implica a demissão do órgão apresentante”.



Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.