Menezes quer leis eleitorais para autarquias e AR até fim do ano


 

Lusa/AO   Nacional   23 de Nov de 2007, 05:19

O líder do PSD assegurou hoje que o partido quer "ultrapassar dificuldades" e ver aprovadas até ao fim ano as novas leis eleitorais para as autarquias e Assembleia da República, considerando a redução do número de deputados um "pormenor".
"Não será por parte do PSD que até ao final do ano não existirão duas novas leis eleitorais", afirmou o líder social-democrata, Luís Filipe Menezes, em declarações aos jornalistas durante um jantar em Colares com autarcas do Concelho de Sintra.

    Considerando que é tempo de "fechar o ciclo da reforma do sistema eleitoral" que se arrasta há anos, Luís Filipe Menezes garantiu que existe da parte do PSD "uma vontade muito, muito grande de ultrapassar as dificuldades" e "criar condições para aproximações parlamentares".

    "Há todo um trabalho já feito e muitos pontos de acordo" com os socialistas, acrescentou, lembrando que, por imposição da Constituição, as novas leis eleitorais terão de ser aprovadas por dois terços dos deputados, o que pressupõe um acordo com o PS.

    Relativamente à nova lei eleitoral para a Assembleia da República, o líder do PSD salientou a importância da criação de círculos uninominais, defendida por sociais-democratas e socialistas e que permitirá uma maior aproximação entre eleitos e eleitores.

    Questionado sobre se está disposto a deixar cair a antiga proposta social-democrata de redução do número de deputados, sempre rejeitada pelos socialistas, Luís Filipe Menezes não respondeu directamente mas classificou essa questão como um "pormenor".

    "Não quero tecer considerações sobre questões de pormenor", disse, enfatizando que a "questão fundamental" é a criação dos círculos uninominais.

    A redução do número de deputados, dos actuais 230 para 181, era uma imposição do anterior líder do PSD, Luís Marques Mendes, para a revisão da lei eleitoral para a Assembleia da República e um dos principais motivos para o falta de acordo com o PS na matéria.

    "Estamos determinadíssimos em acabar com este jogo de sombras, de faz de conta", salientou ainda Luís Filipe Menezes, insistindo que os sociais-democratas "têm toda a vontade para criar condições para uma aproximação parlamentar" com o PS.

    "O PSD vai criar condições para puder ver rapidamente as duas leis aprovadas", frisou.

    Relativamente à nova lei eleitoral para as Autarquias Locais, o líder social-democrata assegurou que já está "completamente consensualizada" e garantirá "um quadro de governabilidade muito estável".

    Desta forma, continuou, a ideia é assegurar que o partido vencedor tenha sempre maioria no executivo camarário, sendo que o presidente da Câmara Municipal será o primeiro da lista para a Assembleia Municipal.

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.