Assumindo responsabilidade no processo

Mattel pede desculpa a Pequim por retirada de brinquedos


 

Lusa / AO online   Economia   21 de Set de 2007, 17:57

A multinacional norte-americana de brinquedos Mattel pediu desculpa ao governo chinês pela retirada de milhões de brinquedos dos mercados internacionais, afirmando que a causa principal foram os erros no design dos produtos.
"A Mattel responsabiliza-se totalmente pela retirada do mercado e eu gostaria de lhe pedir pessoalmente desculpa, ao povo chinês e a todos os consumidores que receberam brinquedos defeituosos", disse o vice-presidente executivo da Mattel, Thomas Debrowski, durante um encontro com Li Changjiang, presidente da agência governamental chinesa de controlo de qualidade.

Debrowski apresentou as desculpas da empresa durante um encontro com Li, que coordena a Administração-Geral de Supervisão de Qualidade, Inspecção e Quarentena (AQSIC, na sigla inglesa), em frente de quem sublinhou a responsabilidade da Mattel no processo.

"É muito importante para todos que fique claro que a vasta maioria dos produtos retirados do mercado foram-no devido a falhas de designa da Mattel, não devido a falhanços por parte dos produtores chineses", afirmou Debrowski.

"A retirada do mercado foi devastadora para a nossa empresa. Produzimos para 150 países em todo o mundo, mas ninguém mais do que a Mattel sofreu com a retirada dos brinquedos", acrescentou o responsável da multinacional.

Só no início do mês - pela terceira vez este Verão - a Mattel retirou do mercado 848 mil brinquedos feitos na China, devido aos elevados níveis de chumbo na pintura dos produtos.

Em Agosto, a empresa americana retirou 18 milhões de brinquedos chineses devido às altas concentrações de chumbo e às pequenas peças magnéticas que causaram ferimentos graves pelo menos em três crianças.

A China tinha antes culpado a Mattel pela retirada dos brinquedos do mercado, garantido que a responsabilidade era sobretudo do design e que só 15 por cento dos brinquedos que saíram do mercado tinham tinta com demasiado chumbo.
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.