Açoriano Oriental
Mais pequena câmara dos Açores aprova orçamento para 2019 de 2,2 ME

O orçamento para 2019 da Câmara do Corvo, totaliza 2,2 milhões de euros e a maior fatia da verba refere-se a despesas com pessoal, num total de quase 800 mil euros, anunciou a autarquia.

article.title

Foto: Açoriano Oriental/Pedro Amaral
Autor: Lusa/AO Online

“A câmara é o maior empregador da ilha, daí este valor destinado a despesas com pessoal, já que se trata de uma ilha pequena com um tecido económico muito reduzido e limitado”, disse o presidente da autarquia, José Manuel Silva (PS), em declarações à agência Lusa, salientando "a função social" que a autarquia desempenha na mais pequena ilha dos Açores, que tem 430 habitantes.

Segundo o autarca socialista, a câmara emprega “46 trabalhadores, mais de 10% da população”.

O orçamento da autarquia do Corvo para 2019 foi aprovado em assembleia municipal com os votos favoráveis do PS (oito votos), uma abstenção do PPM e ainda seis votos contra dos restantes elementos monárquicos, segundo adiantou o presidente da câmara.

José Manuel Silva explicou que o orçamento de 2019 "é inferior" ao deste ano “em cerca de meio milhão de euros”.

“Tem a ver com a falta de receitas de projetos financiados com fundos europeus que não conseguimos fazer aprovar alguns”, apontou.

Quanto às grandes obras, o documento tem prevista a finalização da repavimentação da zona antiga da Vila Nova do Corvo e iniciar a elaboração do respetivo plano de pormenor.

A recuperação da habitação degradada, requalificação do parque de campismo e zona envolvente e a beneficiação de caminhos de penetração, são outros dos investimentos previstos para o próximo ano.

O autarca da mais pequena ilha açoriana adiantou ainda que existe um projeto para a zona antiga que "se for possível candidatar a fundos comunitários" tem como objetivo "a requalificação das canadas (ruas estreitas) do núcleo antigo de Vila do Corvo", recordando que está em curso a requalificação das ruas principais deste mesmo núcleo antigo.

A câmara conta ainda iniciar em 2019 um projeto, aprovado recentemente pelo Prorural e que visa "reavivar antigos caminhos e atalhos".

"Será um projeto em conjunto com o Eco-Museu e que pretende trazer à memória várias infraestruturas que estariam implantadas nestas zonas, como a fabrica da manteiga, as vigias da baleia, mas que estão um pouco esquecidas e pretende-se transformar estes espaços em sítios visitáveis para os locais e turistas", sublinhou o presidente da Câmara do Corvo, acrescentando que o orçamento para o próximo ano tem também prevista a requalificação da biblioteca.


Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.