Açoriano Oriental
Eleições /Açores
Ligações marítimas à Terceira merecem reflexão do próximo Governo

A maioria das reivindicações do Conselho de Ilha da Terceira foram atendidas, nesta legislatura, mas as acessibilidades deverão merecer uma reflexão do próximo Governo Regional dos Açores, defendeu o presidente do órgão, Ricardo Barros.

Ligações marítimas à Terceira merecem reflexão do próximo Governo

Autor: Lusa/AO Online

“É uma questão que tem de merecer uma reflexão muito séria e mais profunda do próximo Governo Regional”, avançou, em declarações à Lusa, o presidente do Conselho de Ilha da Terceira, referindo-se ao transporte marítimo de pessoas e bens no grupo central.

Segundo Ricardo Barros, a criação da Linha Branca da Atlânticoline, que ligou durante este verão a ilha Terceira à ilha Graciosa, demonstrou que “é possível e desejável” ter ligações marítimas regulares em todas as ilhas do grupo central e não apenas nas chamadas ilhas do Triângulo (São Jorge, Pico e Faial).

“Temos muito a aprender ainda nas ligações regulares entre as ilhas do grupo central. Não faz nenhum sentido que haja mais do que uma ligação diária entre Faial, Pico e São Jorge e a Terceira e a Graciosa fiquem de fora. Isso é completamente inaceitável. O grupo central só tem a ganhar no seu todo com uma ligação regular entre todas as ilhas”, afirmou, realçando também os benefícios destas ligações no transporte de bens transacionáveis e no fortalecimento da economia destas ilhas.

A melhoria das acessibilidades aéreas e marítimas à ilha Terceira foi uma das principais reivindicações do Conselho de Ilha ao longo desta legislatura.

Para o presidente do órgão consultivo, houve uma “evolução significativa” das ligações áreas aos Açores nos últimos 40 anos e, neste momento, a Terceira enfrenta constrangimentos que não são exclusivos no arquipélago.

“É óbvio que nós queremos sempre mais, mas é preciso não esquecer que depois da pandemia houve uma redução drástica a nível de voos em todo o mundo”, frisou.

Ricardo Barros, ex-deputado à Assembleia da República, eleito pelo PS, e atual presidente da Assembleia Municipal de Angra do Heroísmo, também pelo PS, não se quis alongar em reivindicações para o próximo mandato do Governo Regional, mas fez um balanço positivo das respostas dadas nesta legislatura.

“As questões que os conselheiros consideravam as mais importantes foram acatadas e entendidas pelo próprio Governo, que fez o que pôde para resolver esses problemas”, sublinhou, dando como exemplo a construção de um terminal de cargas na Aerogare das Lajes e a requalificação do Porto das Pipas, em Angra do Heroísmo.

Quanto ao futuro, Ricardo Barros prefere esperar pelo resultado das eleições marcadas para 25 de outubro e pelo Plano e Orçamento que será apresentado pelo próximo executivo.

“Só temos três reuniões anuais e uma delas era este mês. É óbvio que não faz sentido o Conselho de Ilha reunir-se este mês quando estamos em plena campanha e estamos em vésperas de mudança de Governo. Qualquer tipo de reivindicação não seria a mais apropriada nesta altura”, justificou.

Questionado sobre a economia da ilha, o presidente do Conselho de Ilha defendeu que a Terceira estava “num excelente caminho”, tanto no turismo como na agropecuária, mas os dois setores “sofreram um golpe” com a covid-19.

“Não é muito comum em ilhas com as nossas características a montagem de grandes unidades fabris ou de estruturas que criem grandes empregos e contribuam para o desenvolvimento da própria ilha. Isso obviamente que é negativo, é mau, agora, não havendo essa perspetiva, o Governo Regional tem feito o que pode para colmatar essas brechas. Apesar de tudo somos uma região onde os indicadores, em alguns casos, são melhores do que no continente, noutros nem tanto, mas, em termos gerais, posso dizer que a situação é aceitável”, apontou.

Nos Açores, todas as ilhas têm um Conselho de Ilha, um órgão consultivo, composto por autarcas, deputados e representantes de sindicatos, associações e instituições.

As próximas eleições para o parlamento açoriano decorrem em 25 de outubro.

O PS governa a região há 24 anos, tendo sido antecedido pelo PSD, que liderou o executivo regional entre 1976 e 1996.


 
PUB
Regional Ver Mais
Cultura & Social Ver Mais
Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.