Em visita à cadeia de Ponta Delgada

JSD defende "maior apoio" à prevenção e ao tratamento de toxicodependências


 

Lusa / AO online   Regional   1 de Out de 2007, 15:36

A JSD/Açores defendeu "maior apoio" do Governo Regional na prevenção e tratamento das toxicodependências, alegando que "perto 70 por cento" dos reclusos da cadeia de Ponta Delgada são jovens detidos por crimes relacionados com esta problemática.
O líder da JSD/Açores, Cláudio Almeida, que hoje visitou a cadeia de Ponta Delgada, adiantou à agência Lusa que o facto de "uma grande percentagem" dos reclusos ser jovem e estar detida devido às toxicodependências, constitui "motivo de preocupação e mostra que não se está a fazer nada" em relação à prevenção e tratamento de um flagelo que "atinge também as famílias" açorianas.

"Actualmente, existem cerca de 160 vagas na Casa de Saúde de São Miguel, comparticipadas pelo Governo açoriano, para o programa metadona, mas estão todas preenchidas", salientou o dirigente regional da JSD.

Segundo Cláudio Almeida, esta situação constitui uma falha, tanto mais que é fundamental que estes jovens reclusos tenham um tratamento para evitar recaídas quando saírem do Estabelecimento Prisional.

O líder da JSD/Açores defendeu, por isso, uma "concertação de medidas" entre diversas instituições, alegando que o Governo Regional socialista "está a falhar" nesta área.

Após a visita ao Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, Cláudio Almeida alertou ainda para as actuais condições daquela cadeia, um estabelecimento "obsoleto e superlotado", com uma população prisional que ronda "os 200 reclusos [homens e mulheres], quando só tem capacidade para 145".

Açormédia, S.A. | Todos os direitos reservados

Este site utiliza cookies: ao navegar no site está a consentir a sua utilização.
Consulte os termos e condições de utilização e a política de privacidade do site do Açoriano Oriental.